torredemoncorvoinblog@gmail.com

quarta-feira, 9 de julho de 2008

À Descoberta da Cardanha


Conheci a Cardanha em 1991. Desde essa altura, nunca mais os meus passos me levaram a visitar a aldeia. Há dias, voltei. Pouca coisa recordava: o relógio de sol, na igreja, a localização da escola primária e de um café. Não tive tempo para me inteirar do que poderia haver de interessante para visitar, por isso, era mesmo uma completa Descoberta. Cheguei já depois das seis da tarde. A maior limitação seria mesmo a falta de tempo.
Desci a Rua Sra da Conceição, até chegar ao principal núcleo habitacional. Fiz a uma paragem. A primeira coisa que me chamou à atenção foi uma espécie de nicho com um Cristo crucificado. Penso tratar-se do Senhor da Pedra. As portas de vidro e o gradeamento de ferro não permitem fotografar minimamente o interior. Este nicho, juntamente com mais 7, espalhados pela aldeia, fazem parte da Via Sacra, com origem, possivelmente no séc. XVIII. Todos os 7 nichos são originalmente iguais. O último, o do Senhor da Pedra, é mais elaborado tendo cunhais apilastrados e uma cruz ladeada por pináculos.

Do outro lado da rua está uma pequena capela, a Capela de Nosso Senhor dos Aflitos. É de reduzidas dimensões. A porta de vidro permitiu-me observar o interior e fotografá-lo. Vê-se um nicho, em granito, com a imagem de Cristo de grandes dimensões. No chão existe uma espécie de esteira, que deve servir para o transporte da imagem durante as procissões.
A poucos metros, para poente, está outra capela, a de S. Sebastião. Também é possível observar o interior. Depois de um arco triunfal de volta inteira está a capela-mor com um pequeno altar onde se destaca a imagem de S. Sebastião. No frontispício da capela pude observar dois pináculos, um pequeno campanário com uma cruz sobreposta e uma inscrição numa rocha, por cima da porta. Parecem números, mas não fazem sentido.
Em poucos minutos, encontrei motivos mais do que suficientes para justificar a minha ida à Cardanha, mas ainda havia muito para ver. Entrei de novo no carro e segui até à igreja.
As casas antigas, de granito, atestam a idade e a pujança de outrora desta aldeia. Não são só cardenhos, mas também casas com alguma dimensão, construídas num misto de xisto e granito e onde a madeira também tem um lugar de destaque, principalmente nas varandas, tão tipicamente trasmontanas.
O primeiro impulso foi para revisitar o relógio de sol. Os relógios são usados como exemplo, para evidenciar a ideia de que o tempo voa, mas, neste caso, é uma amostra evidente de resistência ao tempo, que não voa mas que se desloca à velocidade de rotação da terra, dia após dia, século após século.

Ao entrar na igreja abri a boca de espanto. O vermelho vivo do altar-mor e de dois altares laterais, em contraste com o dourado, dão um efeito visual que acho de uma beleza rara, mesmo exuberante. Não é só nos altares que o vermelho vivo domina! Todo o conjunto é harmonioso e está cuidado com muito esmero.
Abandonei a igreja disposto a dar uma volta pela aldeia, a pé. Segui pela Rua da Junta até à Rua da Travessa. Nota-se que já não há habitantes para tanta casa. Há sinais evidentes de reconstrução, mas as ruínas são muitas. A desertificação, lenta mas constante, é bandeira de todos os locais que tenho visitado.
Sem dar por mim, estava a descer a Rua da Fonte. A melhor designação seria mesmo das fontes, no plural, uma vez que existem pelo menos três fontes. O primeiro conjunto tem uma fonte de mergulho, arcada, bastante conservada. Já procurei algum registo para saber se se trata de uma fonte medieval mas não encontrei nada escrito sobre ela. No concelho de Vila Flor, conheço várias fontes do mesmo género.

Uns metros mais abaixo, há outro fontanário, com bebedouros para as bestas. Custa a crer que os habitantes viessem aqui buscar a água para consumo doméstico, mas como justificar a existência desta fonte, neste lugar? Não arrisquei a beber água destas fontes…
Subi pela Rua do Quebra Costas até à rua principal. Não sei se pelo desgaste energético do percurso se pelo adiantado da hora, pareceu-me boa ideia, voltar à igreja, entrar no carro e regressar a casa.
Ainda me aventurei, de carro, até junto do cemitério, a admirar a paisagem, mas não arrisquei ir mais além. As vistas magníficas sobre o Rio Sabor e os vestígios rupestres de Vale de Figueira, serão um bom motivo para voltar à Cardanha.

5 comentários:

Baiqueeuespero disse...

Nunca fui à Adeganha!!!
Mas pelas fotos que vou vendo tenho que incluir a Adeganha no meu roteiro de verão 2008.

n. disse...

para o "baiqueeuespero": o(s) post(ais) referia-se à Cardanha, que é ao lado da Adeganha. Se resolver ir a esta aldeia, pelo lado dos Estevais da Vilariça, encontra a Cardanha do lado direito, à beira da estrada municipal; mais adiante, tem um desvio à esquerda para a Adeganha (onde vale a pena deter-se na bela igreja românica). Se continuar pela mesma estrada, em frente, vai dar ao concelho de Alfândega da Fé, passando ao lado dos Nozelos, a aldeia mais a Norte do concelho de Torre de Moncorvo.
Poce crer que é um belo passeio a incluir no seu Roteiro de Verão!
Ah, só mais uma dica: se não quiser ir até Alfãndega, ao chegar à E.Nacional 215 vira à esquerda e regressa pela Junqueira onde encontra um bom restaurante (passo a publicidade); se a opção forem um peixitos fritos à maneira, tem outro restaurante à beira da E.N. 102, a seguir à Qtª da Terrincha, lado esquerdo, no sentido Norte-sul. Se a fome ainda não apertar muito, pode continuar por esta Estrada e desvia à direita depois da Qtª da Silveira, em direcção à Foz do Sabor, onde tem várias tasquinhas com deliciosos peixes do rio. Inclusive, até pode acampar aqui, junto à confluência do Douro.
Fica tudo mais barato do que ir às Caraíbas! Aproveite e visite-nos!

Baiqueeuespero disse...

Caro amigo,
Eu sou de Carviçais, conheço bem a região...apenas nunca fui à Adeganha por incrivel que pareça.

Anónimo disse...

Ah, pronto, então é mais fácil. Está na hora de lá ir (para ver o interior da igreja, é melhor procurar a chave q está com a D. Aida). - Bá, qu'a gente espera!

Anónimo disse...

Que surpresa encontrar por acaso, ao pesquisar outra coisa na net, estas descrições e fotografias da minha aldeia. Soube mesmo bem ver a minha rua desde esta enorme distância a que estou agora. Muito obrigada! E parabéns pelo blog.

São, uma cardanhense

eXTReMe Tracker