torredemoncorvoinblog@gmail.com

sábado, 6 de dezembro de 2008

Vias aproximam distrito

Depois de anos de reivindicações por vias condignas para Trás-os-Montes, ei-las todas de uma assentada. Esta terça-feira foi assinado o contrato para construir o IC5 e o IP2. Dentro de 15 dias é a vez da auto-estrada Vila Real-Bragança.

"Finalmente podemos dizer que vão construir-se", acentuou o primeiro-ministro, José Sócrates, ontem, em Vila Flor. Este concelho foi o palco da assinatura do contrato entre a Estradas de Portugal e o consórcio que vai construir e explorar a "Douro Interior".

É a concessão que engloba o Itinerário Complementar nº 5 (IC5), que vai ligar o IP4, no Alto do Pópulo (Murça) e Miranda do Douro, e o Itinerário Principal nº 2 (IP2), desde Vale Benfeito, Macedo de Cavaleiros (distrito de Bragança), e Celorico da Beira (distrito da Guarda).

Mas Vila Flor também foi o palco das emoções dos autarcas dos concelhos servidos por aquelas duas vias, encarnadas na pessoa do presidente anfitrião, Artur Pimentel.

"Obrigado, senhor primeiro-ministro!", exclamou. E nesta onda de contentamento lembrava que entre os autarcas transmontanos e durienses se passaram "horas e horas de luta e de reuniões". Uns pelo IC5, outros pelo IP2 e outros mesmo pela auto-estrada transmontana. "O que nunca sonhávamos era que viessem todas num bolo único", realçou.

Chegam todas de uma vez "por uma questão de justiça", reiterou José Sócrates, e apesar de "todos os obstáculos e contrariedades, vão andar para a frente". O primeiro-ministro garantiu que "as obras vão começar já em Janeiro" de 2009, devendo estar concluídas em finais de 2011.

José Sócrates aproveitou também para anunciar que no próximo dia 10 de Dezembro estará em Bragança para assistir à assinatura do contrato para a construção da auto-estrada entre Vila Real e Bragança.

"Isto significa fazer uma aposta no desenvolvimento de uma zona do interior que estava a ficar para trás", frisou o chefe de Governo, acrescentando que a região abrangida pelo distrito de Bragança e pelo norte do distrito da Guarda "não teve o investimento que o Estado devia ter feito para garantir infra-estruturas de acessibilidade".

Às razões de "justiça e solidariedade" que justificam o investimento na região, Sócrates acrescentou-lhe a razão "económica". "Porque as novas estradas vão servir e beneficiar a economia regional, mas também a nacional". Mais: "estas estradas vêm trazer melhor qualidade de vida aos cidadãos destas regiões e mais segurança rodoviária".

A concessão do Douro Interior vai beneficiar directamente cerca de 330 mil habitantes dos concelhos de Alijó, Carrazeda de Ansiães, Vila Flor, Alfândega da Fé, Mogadouro, Miranda do Douro, Macedo de Cavaleiros, Torre de Moncorvo, Vila Nova de Foz Côa, Meda, Trancoso e Celorico da Beira, entre outros.

A título de exemplo refira-se que encurta em cerca de uma hora a ligação Murça-Miranda do Douro e em 40 minutos a viagem entre Bragança e a Guarda.

O ministro das Obras Públicas, Mário Lino, lembrou que quando chegou ao Governo estava apenas executado metade do Plano Rodoviário para esta região.

Fonte: Diário de Trás-os-Montes

Curiosidades:- Será que é desta?

3 comentários:

João disse...

Tal qual como quando veio anunciar a barragem e foi recebido, será que desta também tiveram esse acesso incontrolado de algum tipo de hipnose psicótica e receberam o tal com palmas?

Anónimo disse...

Antigamente passavam por aqui a 60km/hora .No futuro passam a 120?
Zé do cabo

Anónimo disse...

Meu caro o senhor afinal é como o meu amigo Lopes diz voçês por vezes dá a entender que não sabe o que quer, pretende guerras, chega de dizer mal, se voçê é transmontano ajude na construção de ideias e não as queira destruir.
Farinha - Moncorvo

eXTReMe Tracker