torredemoncorvoinblog@gmail.com

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Mostra-me ( sobre su ave)

Mostra-me o mundo que se estende das tuas mãos
Porque há certamente mundos para além das tuas mãos
Desvenda-me os segredos, os silêncios, as coisas
Ensina-me a olhar para lá dos meus olhos
Que já não vêm mais do que o imperfeito
A sombra inacabada dos montes e o ocaso
De algumas tardes que guardo nos meus desenhos
Uma fresta de luz na portada, nada mais
Uma ave que se despede ao anoitecer
Um choro, uma palavra, um canto
Um breve frio no rosto, diria uma memória, talvez
Mostra-me os recantos habitados
A minha casa, o fogo da lareira,
O riso dos meninos, a larga praça por onde se abrem as vozes
Que por vezes ainda julgo ouvir
Mostra-me a curva fluvial e os salgueiros
Que se debruçam sobre o meu corpo
Agora e aqui
Mostra-me
Para que eu possa partir outra vez

14 de Agosto 2009

3 comentários:

vasdoal disse...

Obrigado,Daniel,pela excelente poesia. Desde já, irei retribuir com um "plenum" de palavra, sabor, aroma,música...
João

Anónimo disse...

Um poema profundo e repassado de nostalgia e melancolia, que tem como pano de fundo um rincão distante. Adivinhamos que esse rincão seja esta terra, que hoje exulta em festa e festeja os seus filhos que vieram até ela desde as mais distantes paragens.
Eles em breve partirão de novo, mas entretanto terão revigorado os seus sentidos no abraço aos Familiares e Amigos, na celebração de bem regados ágapes que se traduzem na comunhão com os produtos da terra, os olhos de novo cheios com as paisagens da serra, dos rios, dos olivais e vinhas, o casario, os monumentos graníticos que lhe falam de um passado grandioso...
Um poema propício para uma reflexão sobre a importância do 15 de Agosto (antigo feriado municipal de Torre de Moncorvo), o dia da Padroeira, N. Srª. da Assunção, e da Festa, dia de revisitação e de união da comunidade dos partintes e dos ficantes.
N.

Wanda disse...

Olá!
Lindo, lindo! Repleto de nostalgia, é como se estivesses vagando entre lembranças.
Fez-me sentir com saudades de algo não vivi, mas que já vi em algum filme ou em alguma novela, uma partida, uma lembrança, um vazio melancólico.
Talvez já antecipe a saudades dos que tornarão a partir !
Abraço

Wanda
São Paulo, 15 de agosto de 2009

eXTReMe Tracker