torredemoncorvoinblog@gmail.com

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Tuna Popular da Lousa brilhou em Sendim (terras de Miranda)

Foi um verdadeiro sucesso a actuação do grupo de cordas conhecido por "tuna popular da Lousa", no passado sábado, ao fim da tarde, em Sendim (terras de Miranda), no contexto do programa do 10º festival intercéltico.
O concerto, inicialmente previsto para o largo da igreja matriz de Sendim, acabaria por se realizar no pavilhão conhecido por "Taberna dos Celtas", por receio de aguaceiros.

Os compenetrados músicos das terras moncorvenses estiveram no seu melhor, executando com mestria o seu repertório e trazendo a este festival um tipo do sonoridades aqui pouco habituais - é que enquanto o mundo do Alto Trás-os-Montes se manteve arreigado às flautas pastoris e gaitas de foles, as tunas rurais ou populares, se bem que disseminadas um pouco por toda a parte nos finais do século XIX-inícios de XX, parecem ter-se fixado mais na orla duriense, pelo menos em termos de sobrevivência, num arco que abrange os contrafortes do Marão (Baião, Amarante, Vila Real), tombando depois para o Douro, nomeadamente Régua, Santa Marta de Penaguião (Carvalhais), etc., como se sabe pelo magistral estudo de José Alberto Sardinha ("Tunas do Marão", 2005) e outros trabalhos de investigação, tais como o "Grande Cancioneiro do Alto Douro" (vol. 2) de Altino M. Cardoso e J.Pierre Silva.
Como já se disse, a música das tunas rurais ou populares (também por vezes denominados orquestras populares, orquestras típicas, conjuntos típicos), situa-se num território cultural em que o tradicional ("popular") e o erudito se cruzam, com alguns músicos que sabem escrever/ler pautas e outros que, em outros tempos, compunham alguns temas ("música de autor").
No caso dos músicos oriundos da Lousa e das suas vizinhanças o seu repertório é integralmente herdado, num esforço de recuperação notável e louvável, depois de anos em que as circunstâncias das suas vidas os mantiveram longe deste tipo de música e sem possibilidades de tocarem em conjunto.

Foram executados temas como a "Evarista" (assim chamado por ser uma marcha trazida, noutros tempos, por um certo Evaristo), os Marinheiros, Machucho, Valsa da meia-noite, a Despedida, etc..
Os organizadores do Festival ficaram altamente agradados com a prestação dos músicos da nossa terra, assim como o público que não lhes regateou aplausos. - Na plateia encontravam-se alguns moncorvenses, entre os quais familiares e amigos dos músicos, além de amigos de Moncorvo (permitam-me que destaque o maior moncorvófilo de sempre, o Engº. José Sequeira!), pelo que a "claque" não faltou!
O concelho de Torre de Moncorvo foi muito dignamente representado, pelo que aqui lhes damos os nossos Parabéns!

E para que conste, aqui ficam os nomes dos músicos presentes em Sendim, com indicação dos respectivos instrumentos:
- Sr. Armando Cesário Moutinho > bandolim baixo
- Sr. José Joaquim Pestana > viola portuguesa
- Sr. Modesto Augusto Moutinho > violino
- Sr. Orlando Espírito Santo Félix > bandolim requinta
- Sr. Reinaldo Reto Queijo > Ferrinhos
- Sr. Samuel Santos Barbosa de Sousa > bandola
- Sr. Serafim Sebastião Sousa > viola portuguesa.
Aguardamos agora ainda mais ansiosamente a edição do CD entretanto já gravado pela equipa de Mário Correia/editora Sons da Terra, tendo-se deslocado expressamente a Torre de Moncorvo, no final do passado mês de Maio, para esse efeito.

2 comentários:

Anónimo disse...

Pena que la lluvia desluciera el festival.Pero nunca llueve a gusto de todos.
Mas atendiendo al dicho."La lluvia de agosto cría mosto",pues que llueva.Un abrazo.Angel

Wanda disse...

Olá!
Desejo muita saúde aos músicos da tuna,e que continuem por muitos anos levando diversão ao povo.
A música existe em todas raças e povos,em todas as culturas e em todas as religiões.
A música, como a oração, é sopro de vida que deve ser transmitida para que chegue a tocar a alma.

Abraço

Wanda
São Paulo, 3 de agosto de 2009

eXTReMe Tracker