torredemoncorvoinblog@gmail.com

sábado, 5 de setembro de 2009

Moncorvo em 1972

Folhear jornais antigos é um bom exercício para compreender como o País mudou nestes últimos 30 anos. Maior justiça social, outros cuidados de saúde e sobretudo liberdade. Para alguma memória, muita amnésia.
Vejamos pois, tendo como fonte, exclusiva neste caso, o “Notícias de Trás-os-Montes”, como a nossa região mudou, ainda que muitos dos temas e necessidades se mantenham.

Grupo Desportivo de Moncorvo -- O “Notícias de Trás-os-Montes” publica a um de Julho de 1972, em grande destaque, a subida do Grupo Desportivo de Moncorvo à III Divisão. Ganhara o último jogo da distrital contra o Macedo de Cavaleiros. A subida do GDM foi abrilhantada no jardim de Moncorvo com um grupo musical que fazia a sua estreia, “Teorema”. Tempos depois tomaram posse os novos corpos gerentes. Vale a pena referi-los: Almiro Sota, presidente; Fausto Catalão, vice-presidente; secretário, Eduardo Leite; segundo secretário, José Cavalheiro Paiva; vogais, António Teixeira, Manuel Tristão e Arnaldo Gonçalves.
Vale a pena lembrar a equipa inicial: Eurico; Sílvio (actual treinador do GDM), Amadeu, Custódio e Morais; Favorino e Paçô; Miranda, Vaz, José Manuel e Mateus.
Mas a equipa não funcionava bem. À quarta jornada levou 8-0 do Lourosa e ainda não tinha ganho um jogo, nem sequer marcado um golo. À sexta jornada o GDM conseguiu marcar um golo, ainda que tenha perdido com o Leça por 4-1.O golo do Moncorvo foi marcado pelo Zé Manuel. O Lourosa liderava a classificação.
Na jornada seguinte o GDM perdeu com o Limianos por 4-2. Os golos foram marcados pelo Miranda e pelo Santos. Sílvio já não jogava no GDM.
Na 11ª jornada o GDM continuava com um ponto apenas. Já não havia nada a fazer.

Saúde-- No segundo semestre de 72 entrou em funcionamento, na dependência do Hospital da Santa Casa da Misericórdia de Moncorvo, o Centro de Saúde do concelho, constituído por dois médicos e respectivo pessoal de enfermagem, pelo que deixou de funcionar a subdelegação de Saúde que estava instalada no edifício do Tribunal. Registe-se que, na altura, a população era superior e os médicos eram apenas dois. Vale a pena lembrar que então o acesso à saúde tinha muito pouco a ver com as exigências de hoje.

Combóios-- As linhas do Corgo, Tua e Sabor acabaram por fechar. Mas o problema não é novo. Há 30 anos, pelo menos, que os poderes se manifestavam contra o encerramento das linhas. Titula o “Notícias de Trás-os-Montes” (29.7.72): “Trás-os-Montes opõe-se à supressão dos combóios”. Já um colunista deste semanário, informa, meses depois, que para vencer os primeiros 12 quilómetros do Pocinho a Moncorvo, são necessários 49 minutos, sendo 40 para o percurso e 9 para o serviço e toma de água, o que dá 15 quilómetros à hora como velocidade.
Nos 22 quilómetros de percurso -- do Carvalhal ao Pocinho -- havia 124 curvas. É obra. Mas as linhas acabaram. Quem as frequentou, sente nostalgia.

Emigração-- Se não fosse a emigração, a população portuguesa teria sido em 1981 de 9660.000 habitantes, segundo o INE. Diga-se que só em 1971 (já com a emigração em baixa) são registados mais de 151 mil emigrantes, dos quais 100.797 clandestinos.

Emprego -- Na sua edição de 21.10.72, alicerçado em fontes oficiais, o “Notícias de Trás-os-Montes” informa que o Serviço Nacional de Emprego, através do seu Centro de Castelo Branco, oferecia trabalho para homens (mais de 14 anos) a sete escudos à hora e para mulheres (mais de 14 anos) a quatro escudos, podendo fazer, homens e mulheres, mais de 10 a 12 horas diárias. O trabalho era garantido apenas por três meses. Ou seja, para usufruir 70 escudos por dia, e apenas durante três meses, um homem tinha que trabalhar 10 horas diárias. Desconheciam-se as horas extraordinárias. Como hoje se quer desconhecer o que foi este país e como neste país eram tratados os seus filhos.

Cultura -- Hoje seria um acontecimento nacional, com direito a televisões. Mas hoje seria difícil reunir em Mirandela, como foi reunida em Julho de 1972, uma mostra dos grandes nomes da pintura portuguesa. Sigamos o despacho do “Notícias de Trás-os-Montes” que nos dá conta de uma exposição em Mirandela com o patrocínio da Câmara e a colaboração da Galeria Alvarez do Porto.
Antes da exposição, houve uma palestra sobre o “Romance Moderno e a sua evolução”, pelo escritor António Rebordão Navarro, cujo romance “Um Infinito Silêncio”, é o retrato de uma comarca de Trás-os-Montes (Vimioso) onde esteve colocado.
Na exposição podiam ver-se, entre outros, quadros de Almada Negreiros, Ângelo de Sousa, Armando Alves, Arpad Szenes, Artur Bual, Dórdio Gomes, Espiga Pinto, João Hogan, José Rodrigues, Jorge Pinheiro, Júlio Pomar, Júlio Resende, Manuel Cargaleiro, Nadir Afonso, Nikias Skapinakis, Noronha da Costa, Francisco Relógio, Vespeira e Vieira da Silva.
Seria hoje possível uma exposição desta grandeza? E quem seria a grande mente de Mirandela que na altura foi capaz de organizar ua exposição única, não só a nível do Nordeste Transmontano, mas a nível nacional? Gostaria de saber quem foi só para profundamente lhe agradecer.

Arte sacra ­­--- A reportagem é escrita por Afonso Praça na edição de quatro de Novembro de 1972 no “Notícias de Trás-os-Montes”, semanário de que o repórter era director-adjunto. Trata-se da história do retábulo flamengo de Moncorvo. Escreve o nosso conterrâneo: “Cerca de sete dezenas de naturais de Moncorvo ou ali residentes, deslocaram-se a Lisboa e visitaram o Instituto Dr. José de Figueiredo, anexo ao Museu.
A excursão foi feita a convite do director do Instituto, dr. Abel Moura, foi organizada pelo delegado local da Junta Nacional de Educação, dr.Horácio Brilhante Simões. Para muitos, foi uma revelação; para outros, apenas um passeio a Lisboa; para todos uma certeza: o retábulo está efectivamente no Instituto Dr. José de Figueiredo, entregue aos cuidados da pintora Ana Paula Abrantes, diplomada pelo Instituto Real do Património Artístico de Bruxelas. Pelo sim, pelo não, os moncorvenses acharam que era melhor vir a Lisboa: é que o retábulo já foi roubado uma vez e encontrado, meses depois, num antiquário de Guimarães. História que os jornais contaram e os moncorvenses não esquecem...”
Apó este super lead, Afonso Praça desenvolve a notícia: “Seja como for, a referida obra de arte recebeu, na altura, tratos de polé: dizia-se que os ladrões pretendiam enviá-la para os E.U.A. De certeza sabe-se que foi pintada no intuito de a disfarçar. É desde então que muita gente pensou em mandar restaurar o retábulo, mas havia um problema: o povo não queria que o “quadro” saísse de Moncorvo. Há três anos o dr. Horácio Simões, na sua qualidade de delegado da Junta Nacional de Educação, fez um pedido formal ao Instituto Dr. José de Figueiredo, e no ano passado apareceram na vila funcionários desta instituição para procederem ao transporte da obra. Qual quê! O retábulo lá ficou, como acontecera uma vez, perante a reacção dos moncorvenses que se reuniram junto da igreja, dispostos a tudo. Recentemente, um carro foi a Moncorvo, carregou o tríptico e trouxe-o para Lisboa, sem ninguém dar conta. Mas logo a notícia se espalhou pela vila, como uma bomba. E foi então que surgiu a excursão, cuja finalidade principal foi de esclarecimento: moncorvenses de várias profissões e categorias sociais (professores do ensino secundário, comerciantes, trabalhadores rurais, funcionários públicos) entraram esta manhã no Instituto Dr.José de Figueiredo com um peso no peito. E o repórter ouviu várias vezes: “Afinal o quadro volta ou não volta para Moncorvo?” Todos os moncorvenses sabem hoje que o quadro voltou a Moncorvo e pode ser visto na sua igreja matriz.

3 comentários:

Daniel de Sousa disse...

Bons tempos esses em que o povo ( e estamos a falar de pessoas das mais diversas formações e interesses) defendiam fisicamente o seu património, no caso o tão falado retábulo flamengo de Sta. Ana, postando-se na igreja para controlar uma eventual saída. E que depois foram a Lisboa ver o dito para ter a certeza de que lá se encontrava!! Hoje parece que vandalizam o recinto da igreja matriz sem qualquer interesse pelo que tudo aquilo significa para todos, repito - todos- os moncorvenses.
Na verdade os tempos mudam - mas se calhar também as pessoas. Ou estarei enganado?
Daniel

jose albergaria disse...

É um prazer viajar, no comboio dos jornais, pelo tempo.
E quando esse comboio é conduzido por jornalista do gabarito de um Afonso Praça, a viagem é, de certeza, rica e cheia de episódios, como foi esta que aqui narras, arrimado à prosa jornalística.
Abraço,
José Albergaria

N.Campos disse...

As minhas felicitações ao Rogério por este trabalho de "arqueologia jornalístca" - e pelos "achados" que fez com referência ao ano de 72. Achei curiosa a exposição de pintura contemporânea em Mirandela, naqueles tempos, com nomes hoje tão sonantes da arte portª. E subscrevo a questão: quem estaria, nesse tempo, tão "à frente", num tempo em que Mirandela ainda era umas simples vila, não mais relevante (em termos culturais) que Moncorvo? - conheço alguém que nos pode responder: tem a palavra o meu Amigo Dr. Roger Teixeira Lopes!

Quanto ao tríptico da igreja de Torre de Moncorvo, achei muito interessante esta referência - em reportagem de Afonso Praça (que desconhecia) - dada a sua importância, do ponto de vista artístico. É a peça mais relevante do recheio da nossa igreja, e, de facto, foi alvo de uma tentativa de roubo, nos anos 50, como se diz no artigo citado. Por causa desse precedente é que os moncorvenses estavam de pé atrás quando foi levado para Lx, para restauro, isto após uma visita realizada pelo então presidente da república Américo Tomás (ao que me disseram), a quem se terá pedido que movesse influências para o tratamento da peça, que ficara algo maltratada depois da tentativa de roubo. Como se deduz, teve nesse processo especial influência o Dr. Simões. Só que, ao que parece, um outro "ilustre", tentou capitanear uma revolta popular ou para não deixar sair o tríptico, ou para o mesmo regressar o mais depressa possível a Moncorvo. Terá sido nesse contexto que o Dr. Simões (meu antigo professor de Ciências) organizou a tal excursão. Lembro-me de ele me dizer que se removeram várias camadas de tinta (vários repintes anteriores à "pintura de disfarce" feita na ocasião do roubo), até se chegar à pintura original, com os douramentos - como hoje se observa.
Presentemente está guardado na ábside lateral, do Santíssimo Sacramento, atrás de um forte portão gradeado. Mais informamos que a igreja dispõe de sistema de alarmes e guardaria.
Só por esta obra (mas não só!) a nossa igreja matriz merece bem uma visita.
Para saber mais, sobre este retábulo flamengo, conhecido pelo Tríptico da Parentela de Santa Ana, é obrigatório ler o opúsculo de autoria do Professor Adriano Vasco Rodrigues:
"O retábulo flamengo da parentela de Santa Ana, na igreja matriz de Torre de Moncorvo" (separata do vol. V da Rev. de Ciências Históricas), Univ. Portucalense Infante D. Henrique, Porto, 1990.

eXTReMe Tracker