torredemoncorvoinblog@gmail.com

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

"Partidela" da Amêndoa

"- Ai quanto me custa morrer, ó Xica Neiva!
- Olha que Deus não é de brinquedos senão às vezes dava castigos, não achas?
- O que nós fazíamos quando éramos solteiros!
- Não te recordas daquelas noites de inverno, quando íamos ajudar a partir a amêndoa para a casa da tia Arminda Fanega?
- Primeiro cantávamos a vozes, ao som do martelar, o canto do Cravo Rijado.
- As costas e os pés estavam frios, mas os corações até deitavam fogo.
- Olha que tu tinhas mesmo uma voz de respeito, mas eu, também, não ficava atrás.
- Vamos tentar cantar uns versos desse cântico? Recordar é viver, home. Ora vamos lá ver se ainda acertamos.

E os nossos idosos, numa voz ainda firme, repassada de saudades, lembrando aquelas noites frias e o pum, pum, pum do partir da amêndoa e, as conversas chistosas do grupo das partideiras, começaram a cantar:

Fala-me, ó cravo rijado,
Fala-me fora da rama,
Fala-me sem cobardia, ó ai,
quem é cobardo não ama.

Quem é cobardo não ama,
Quem ama não é cobardo,
Fala-me ó meu amorzinho, ó ai,
Fala-me ó cravo rijado.

Fala-me aonde me vires,
Não te escondas de ninguém,
Eu na fama já sou tua, ó ai,
Por esse mundo além.

Acabada a cantiga, o ti Cara Linda atalhou logo:
- E quando tu dizias: Ó Cara Linda, ensina lá a doutrina a estas moças casadouras, senão o senhor padre não as casa.
- E eu então começava: Raparigas, ouvam lá o catecismo d'hoje" [continua]

in: "A Terra Transmontana e Alto Duriense. Notas etnográficas", por Joaquim Manuel Rebelo (Padre Rebelo), ed. Câmara Municipal de Torre de Moncorvo e Associação Cultural de Torre de Moncorvo, 1995.
Foto: Padre Rebelo? Legenda: "Partidela da Amêndoa" no Peredo dos Castelhanos.

Sem comentários:

eXTReMe Tracker