torredemoncorvoinblog@gmail.com

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Sugestões outoniças em tempo de "sanchas"

Realizou-se no passado fim de semana, em Torre de Moncorvo, uma jornada micológica, com recolha de cogumelos na zona da serra do Roborêdo e sua posterior observação, identificação e comparação no auditório do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo, como se pode ver no seguinte link: http://parm-moncorvo.blogspot.com/2008/11/1-passeio-micolgico-organizado-pelo.html

Uma das principais conclusões retiradas deste encontro foi sobre os cuidados a ter na identificação das espécies comestíveis, pois algumas delas podem ser susceptíveis de se confundir com variedades tóxicas e até mortais.

Por outro lado pôs-se a tónica na necessidade de se preservarem as espécies autóctones (não só as comestíveis como as outras), pelo que deve haver uma consciencialização das populações nesse sentido, mantendo os padrões de auto-consumo tradicionais, mas sem uma mercantilização desenfreada, o pode levar ao extermínio de certas variedades. Há ainda alguns cuidados a ter, no sentido da continuidade da reprodução dos cogumelos.

Por exemplo, se "fôr às sanchas" (foto acima), não arranque o cogumelo, mas leve uma faca apropriada para cortar o caule, de forma a que a sua raíz continue na terra; raspe um pouco o caule ou sacuda o cogumelo, para que os esporos caiam à terra e garantam a reprodução futura; é preferível levar uma cesta, pois há sempre a possibilidade de alguns esporos caírem à terra através das fasquias do vime. E, acima de tudo, se tiver dúvidas na identificação de algum espécime, é melhor não o apanhar! Se, por acaso, algum espécime venenoso fôr parar à cesta, é melhor não arriscar e deitar a recolha toda fora, no próprio pinhal, ou onde se tenha realizado a recolha.

Um cogumelo altamente tóxico (e com propriedades alucinogénicas) que pode ser mortal é o célebre "regalgar" (ou "resgalgar"), também conhecido noutras regiões como "incha-bois" ou "rebenta-bois". O seu nome científico é "amanita muscaria", sendo particularmente atraente, pelo chapéu vermelho pintalgado de branco.

Mas se você é mesmo adepto de cogumelos (tem ainda uma outra opção, mais segura porque não comestível) do outro lado do nosso concelho: deixe a serra do Roborêdo, saia da vila, e tome a estrada para Bragança pela ponte do Sabor. Passada a ponte, desvie ao lado da Qtª. da Portela para os Estevais da Vilariça. Passada esta povoação, procure descobrir nesta zona planáltica um belo cogumelo em pedra, esculpido pela natureza, mais precisamente pela erosão eólica. É um curioso monumento natural que deveria ser classificado como tal. Ei-lo:

Fotografia de Paulo Silva

E já que está por estas bandas, aproveite para descobrir ainda esta velha fonte arcada, talvez do século XVII, que em determinado momento foi entaipada:


Fotografia de Paulo Silva

Depois é consigo: tanto pode seguir até à Cardanha ver o relógio de sol que já foi mostrado aqui neste blog (ver etiqueta: "Cardanha"), ou ir até à Adeganha (ver etiqueta "Adeganha"), ou ainda continuar em maré de descoberta e ir até à Póvoa, ou um pouco mais adiante, a pé, espreitar o local da barragem em início de construção. Em breve tudo isto ficará alterado, pelo que é uma última oportunidade para registar o momento presente.

No regresso, se passar pelos Estevais, recomenda-se uma peregrinação à tasca do Vilela, para provar um verdadeiro tinto da região e petiscar qualquer coisa.

É a nossa proposta para o próximo fim de semana.

Texto e fotos de N. Campos (excepto as que vão com identificação do autor, Sr. Paulo Silva, a quem muito agradecemos as fotos enviadas).

2 comentários:

Anónimo disse...

pois é... em Mogadouro andam a pôr monumentos aos cogumelos nas rotundas da C.E.E., mas aqui eles já existem (no meio dos campos, que é onde devem estar), feitos pela natureza e à borla, sem gastar a massa do contribuinte!!! - Ah, e muito mais bonitos! Haja quem os saiba apreciar...

Xo_oX disse...

Mas que grandes ideias para vários passeios "À Descoberta de..."
Não sei se ainda irei a tempo para as sanchas, (como eu gosto de andar pelos montes atrás delas)mas estou em crer que o "monumento" granítico não me vai escapar, no Outono, Inverno ou Primavera.
Obrigado N. Campos e Paulo Silva por estas sugestões.

eXTReMe Tracker