torredemoncorvoinblog@gmail.com

segunda-feira, 30 de junho de 2008

Peixe do rio em calda


Aqui, neste caçoilo, fica a receita da srª Júlia, sempre que quiserem aventurar-se neste testemunho gastronómico que envolve um património humano, faunístico e botânico.
O peixe
Amanha-se o peixe (o que vier à rede), lava-se e corta-se aos bocados (o grande). Tempera-se com sal, alho e erva-peixeira. Depois frita-se em azeite quente. Estando frito, retira-se para um caçoilo de barro.
A calda
Ao azeite da fritura junta-se o alho, um ramo de salsa, louro, colorau doce, "guinda" ou malagueta, um pouco de vinagre, sal e um pouco de água. Deixa-se arrefecer esta calda, deita-se por cima dos peixe e, se não resistir, coma o petisco no próprio dia. Caso resista, pode deixar que que o molho vá macerando o peixe, fazendo com até as espinhas sejam apetitosas.
Atenção: não troco este pelo da Foz

Portfólio?

Temo fazer de cardeal diabo, mesmo no tempo em que o Papa não é propriamente um santo e é muito dado ao fashion italiano, no vestir e no calçar.
À Descoberta de Moncorvo começa a ter mais paisagens, árvores, arbustos, pássaros e outras circunstâncias do que homens ou histórias de homens. Um centro de memória, como me parece este blogue, na categoria de embrião, deveria recolher experiências e relatos de uma humanidade e mesmo algum surrealismo em que Moncorvo foi sempre fértil.
Há personagens que melhor farão compreender a evolução de Moncorvo e as suas idiossincrasias. A título de exemplo, o Emídio Carteiro já falecido que contava, com colorido, vocabular e gestual, a investida da Legião Portuguesa, comandada pelo dr. Amável, contra o baile dos Bombeiros que estava a arredar clientela ao baile pequeno burguês, hig-life de um jet- subset da sociedade moncorvense. Lembrar, com um grande texto, o papel do eng.Monteiro de Barros de quem tive o privilégio de ser amigo, homem que já lia o Herberto Hélder (ofereceu-me uma primeira edição), enquanto os seus comparsas não passavam do Guerra Junqueiro; que já assinava, desde o primeiro número, o Paris Macth e o Canard Enchainé; o homem que tinha ar condicionado na sua casa, apenas na garrafeira; o homem que deixou uma belíssima mensagem, qual Petrónio, na hora da sua morte, do seu suicídio à patrício romano. A carta existe.
Uma homenagem é precisa ao Arnaldo que, durante décadas, alimentou o humor de uma sociedade fechada como a de Moncorvo. Está hoje praticamente em estado vegetal. Mas as grandes histórias, algumas das quais eu gravei (material que tenho que procurar na desordem dos meus materiais), foram elaboradas como autênticos guiões pelo Arnaldo. Além disso, o Arnaldo foi das personalidades de Moncorvo aquela que mais terá seduzido e mesmo ajudado gerações de jovens da terra.
Sinto-me comovido ao ver fotografias de algumas flores e arbustos da minha infância. A visão leva-me ao universo recuperado de aromas antigos. Suportem pois, este meu papel, esta minha vontade de ver escritas mais histórias, do Rambóia de Açoreira, o imbatível na desgarrada, do Manquinho de Açoreira que, com a sua rabeca, animava bailes de aldeia em aldeia. Acabava sempre bêbedo, mas era enquanto bêbedo que a rabeca melodiava mais sentimento. O Leva-Leva de Vilarinho da Castanheira e a sua resposta sábia ao cónego Almeida. O Horácio Espalha que durante anos e anos foi o reviralhista encartado, "mentor" de algumas gerações que ainda cultivavam a utopia. E mais personagens há que ilustram o universo de Moncorvo, ricas no contraste e na especificidade.
Como acho que os blogues devem ser curtos, redimo-me do pecado inicial e fico-me por aqui. Procurem histórias. Cruzadas uma com as outras, encontra-se uma unidade na diversidade. E compreende-se melhor o Moncorvo de hoje.
Não só a arqueologia das pedras, mas também a dos homens, nos faz compreender melhor o presente.

Açoreira

Fonte de canelas.
Inscrição presente numa habitação póxima à capela.

Casa tradicional situada em frente à capela.


Açoreira - Cascata de S. João a decorar a capela.

Pormenores deliciosos captados numa deslocação à fonte de Canelas, na freguesia de Açoreira, para abastecimento da saborosa água.

Igreja - Torre de Moncorvo


Desta vez, visitei a "catedral" com os olhos à sombra dos seus granitos.

Panorâmica de Estevais


A fotografia de hoje, mesmo com imperfeições técnicas, mostra que não é necessário ser uma grande aldeia para ter brilho, receber bem quem visita e proporcionar bem estar aos que lá vivem. Fiquei encantado com a minha visita a Estevais, freguesia de Adeganha.

domingo, 29 de junho de 2008

Digressões


Aproveitando uma visita à Igreja durante esta semana, lembrei-me de subir aos sinos e tirar umas panorâmicas de Moncorvo, um pouco como fez o saudoso Eng. Monteiro de Barros na década de 50 do século passado. Depois de aqui chegarmos, compreendemos porque nos custa deixar para trás esta terra....




a MÃE Vilariça e a majestosa filha que a espreita...


o velho burgo a braços com a alteração da paisagem!


Este é o caminho para próximas digressões, se conseguir dominar
a vertigem de estar no tecto de Moncorvo!


(Texto e fotos a cor de RL. Fotos a p/b de Eng. Gabriel Monteiro de Barros)

sábado, 28 de junho de 2008

Na Serra do Reboredo


Azedas e cravinas-bravas (Dianthus lusitanus), na Serra do Reboredo (24-05-2008).

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Igreja de Torre de Moncorvo


Torre de Moncorvo


Moncorvo em flor


Rio Sabor


Stop

Torre de Moncorvo - Antiga muralha, com vestígios de uma porta.
"Stop". Quiçá uma metáfora da defesa do património.

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Chi Pardelinha no Museu do Ferro





Algumas mulheres de Chi Pardelinha que visitaram o Museu do Ferro em Março de 2007.

Partidela Colectiva


Convidados de uma"partidela de amêndoa", em Novembro de 2005.
Museu do Ferro & da Região de Moncorvo

Amêndoa - Partidela tradicional e solitária

Sequeiros, Torre de Moncorvo, Outubro de 2007.

Amêndoa

Torre de Moncorvo é a uma das regiões do nordeste transmontano, onde se pode encontrar alguns hectares de amendoeiras, trazendo na altura da amendoeira em flor uma grande afluência de visitantes a esta região, que ficam maravilhados com os mantos brancos que as amendoeiras nos proporcionam. Também são famosas as amêndoas doces, de Torre de Moncorvo.

Torre de Moncorvo

Rua Visconde de Vila Maior, Torre de Moncorvo.

quarta-feira, 25 de junho de 2008

Foz do Sabor

Encontro entre o Sabor e o Douro.
Na Foz do Sabor, aldeia do concelho de Torre de Moncorvo, podemos encontrar uma praia fluvial, que tem muita afluência na época balnear.
É um excelente sítio de lazer.


Verdes são os campos ...

... mas cada um vê com seu olhar.
Porta, na Rua da Misericórdia. Torre de Moncorvo.

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Vende-se


Janela, na Rua do Castelo, em Torre de Moncorvo.

O mundo de Trás-da-Serra

A serra a que nos reportamos é, obviamente, a do Roboredo. Pelo que a designação de "trás-da-serra" ou "aldeias de trás-da-serra" para denominar Açoreira, Maçores, Urros e Peredo, terá sido aposta pelos da banda Norte da serra, os da vila, a altaneira Torre de Moncorvo, sede da fiscalidade, das justiças e dos poderes municipais.


Talvez Felgueiras escapasse à designação, por ficar no meio da serra, situada no meio de um U topográfico, para cujo lado aberto corria (e corre) a ribeira de Santa Marinha, afluente da ribeira de Mós, que vai desaguar ao Douro, lá para as bandas de Barca de Alva.
Numa breve digressão de fim-de-semana, subimos a esse braço de serra que separa os termos de Felgueiras e Maçores, e que se denomina de Citoque (será uma denominação popular para o marco geodésico que aí se encontra, ou o lugar já teria esse nome?).

Daí espreitámos a ribeira de Santa Marinha, para ver se a Fraga do Arco ainda estava no mesmo sítio. E estava.
Retomando o percurso, por Maçores, com rumo a Urros, aí se passou um excelente fim-de-tarde, vendo o regresso dos gados e o belo conjunto dos palheiros, culminando a jornada numa amena esplanada...

Vista geral do mundo de Trás-da-Serra, a partir do alto do Citoque, com Maçores ao fundo da encosta, em primeiro plano.
Vertente Sul da Serra do Roboredo e Carvalhosa (antigas minas de ferro da Ferrominas), vista do alto do Citoque.

Fraga do Arco (freguesia de Maçores), um capricho da natureza que a Geologia poderá explicar, numa vertente sobre a ribeira de Santa Marinha - é um monumento geológico que deverá ser classificado e protegido.
Vista actual de Urros, a antiga Orrios do foral doado pelo senhor rei D. Afonso Henriques, no ano de 1182...
Serão casas "castrejas"? Não, são os célebres palheiros de Urros! belíssimos... e parecem aí estar desde os tempos do senhor D. Afonso Henriques.

Urros, ainda. O regresso do gado, ao fim de tarde, é sempre um momento bucólico que me faz lembrar um célebre quadro de Silva Porto (existente no Museu Soares dos Reis, no Porto)

Não fossem as casas novas, ao fundo, e poderia ser uma imagem captada a bordo da cápsula do tempo, muitos séculos atrás... Terá sido a abundância de gados que ajudou a fomentar a tecelagem de Urros, noutros tempos, que hoje os teares silenciaram-se de vez...

"Canhonas" (ovelhas) e "borreguinhos" na côrte. Aqui ainda se sentem os cheiros medievais...

sábado, 21 de junho de 2008

Dedaleira - Digitalis purpurea

Dedaleira - Digitalis purpurea, na Serra do Reboredo (24-05-2008)

sexta-feira, 20 de junho de 2008

guardiões do temp(l)o

Mesmo que me mostre viril
hei-de ficar bem senil.
Lá se vai a minha vista!

Daqui avisto o Sabor
e mui projectos em redor.
Igreja Matriz de Torre de Moncorvo.

Igreja de Torre de Moncorvo

Para que o tema não arrefeça, fica mais uma fotografia da Igreja de Torre de Moncorvo.

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Os berrões

Museu Nacional de Arqueologia - Lisboa
" Exposição - Religiões da Lusitânia"

Já que as alheiras estão por perto, aqui estão alguns berrões (4) referidos nas " Religiões da Lusitânia", por J. Leite de Vasconcelos, encontrados nas Cabanas - Torre de Moncorvo.

lareira tradicional - santuário dos apetites

santíssima trindade.

O deus das saborosas cousas.

pão, ovo, canela, açúcar... pecados!

Ai a coalhada, um branco sabor celestial!

Trufas de Moncorvo - aperitivo para os deuses descerem à terra!

Fica-se cá c'uma telheira ( alheira vizinha da telha), com estas auréolas divinais !

Todas as fotografias foram obtidas em terras de Moncorvo, com diferentes câmaras fotográficas. Uma delas não resistiu, como é natural, e deu-lhe o pifo!

eXTReMe Tracker