torredemoncorvoinblog@gmail.com

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Incêndio na Serra do Roboredo


Dia 28 de Julho, por volta das 17.00h, deflagrou um incêndio junto à serra do Reboredo. Em pouco minutos ficou com uma frente de meter medo ao mais terrível dos adamastores. No entanto, a rapidez, a boa coordenação e a coragem dos valentes bombeiros voluntários de Torre de Moncorvo com a ajuda de um meio aéreo e algumas corporações vizinhas extinguiram em pouco mais de uma hora, um incêndio que poderia trazer graves prejuízos para a fauna e flora da serra do Reboredo.
Texto e fotos de L. M. Lopes.



terça-feira, 28 de julho de 2009

A Aldeia


"De longe era mais nítida a claridade do céu e o recorte da serra. Os grandes rochedos semeados ao lado dos caminhos, pareciam guardar antigos tesouros, invocar esquecidos deuses. Aproximava-se a hora do encontro e todos os fantasmas que me habitam vinham assustar-me e profetizar.
De tão longe! Cada vez mais perto!
Ali, após uma curva poeirenta, surgia a aldeia. Pousada no alto do monte, cor de pedra e de terra, a aldeia envolveu-me e magoou-me no seu abandono e beleza. Tinha-a sonhado tantas vezes e ei-la desafiando os sonhos e as esperanças. Intacta, acolhia-me e serenava-me todas as questões. Chegara, ao fim de tanto tempo!"
in: Jacinto de Magalhães, 1985.
Foto: N.Campos
_____________________
Torre de Moncorvo in blog deseja aos conterrâneos da Diáspora uma boa viagem de regresso e um feliz reencontro com seus familiares e amigos em suas terras de origem, durante este período de merecidas férias!

domingo, 26 de julho de 2009

Fundador da República do Brasil era oriundo de Moncorvo!

Quem sabia que Benjamin Constant Botelho de Magalhães (1836-1891), militar, político, ensaísta, o pai da República do Brasil, autor da divisa “Ordem e Progresso” da bandeira brasileira (1890), era oriundo da vila de Torre de Moncorvo, por parte de seu pai, Leopoldo Henriques Botelho de Magalhães?
Este Leopoldo Henriques era seguramente descendente de um sargento-mor de Torre de Moncorvo que viveu no séc. XVIII e que tinha o mesmo nome (houve vários homónimos nesta família de morgados). Esse primeiro Leopoldo Henriques (talvez nascido nos finais do séc. XVII) casou com uma senhora espanhola (mais precisamente catalã), e foi quem iniciou a construção de um casarão situado na actual Rua Tomás Ribeiro, nesta vila, o qual pretendia ser um vasto solar mas que nunca seria acabado, apesar dos descendentes terem chegado a celebrar um contrato com um mestre de obras para a sua conclusão no ano de 1800. Depois de um longo processo de ruína na segunda metade do séc. XX e tendo corrido o risco de uma demolição integral, o que restou desse casarão em boa hora foi recuperado e alberga hoje a agência de um Banco e um jardim-escola.
Longe estávamos de saber, no entanto, que desta casa sairia um dos grandes vultos da história do Brasil. A informação chegou-nos através de um alerta do Google, em que se dizia:
“Benjamin Constant veio ao mundo no porto do Meyer, freguesia de S. Lourenço do Município de Niterói, no dia em que a Igreja Positivista comemora Duclos, o moralista adjunto do grande pensador que resume o glorioso movimento espiritual no século XVIII - Diderot (18 de Outubro de 1836). Seu pai, Leopoldo Henrique de Magalhães Botelho [sic-apelido trocado], natural da Torre de Moncorvo, assentara praça voluntariamente, com vinte anos de idade, no regimento provisório de Portugal em 21 de novembro de 1821. (...)
Português por seu pai, Benjamin Constant já era brasileiro por sua mãe, D. Bernardina Joaquina da Silva Guimarães, natural do Rio Grande do Sul. Em 1836 quando nasceu o futuro Fundador da República na raça portuguesa, dirigia seu pai [Leopoldo Henriques] uma escola particular, onde ensinava primeiras letras, gramática portuguesa e latim. Escassos sendo os recursos que daí auferia, porque a maior parte dos discípulos era pobre, viu-se obrigado a procurar outra profissão, apesar da verdadeira satisfação com que seguia o magistério. A proteção da família da Viscondessa de Macaé proporcionou ao 1° tenente Botelho de Magalhães a tentativa de um estabelecimento na cidade desta denominação (Macaé), onde ainda entregou-se ao professorado. Aí foi batizado o seu primogênito em 26 de março de 1837, dando-lhe o pai por patrono subjetivo Benjamin Constant, o célebre publicista do constitucionalismo de quem era entusiasta. (...)”

Recentemente foram descobertos, num espólio familiar, uma série de apontamentos de autoria de Bernardina Botelho de Magalhães, filha de Benjamin Constant, onde a jovem então com 16 anos (por volta de 1889) anotou as reuniões e relações de seu pai com outros conspiradores que ajudaram ao derrube da monarquia imperial. No seguimento da instauração da República, viria a ser Ministro da Guerra e posteriormente Ministro da Instrução Pública, Correios e Telégrafos no governo provisório. Tendo sido amigo da família imperial brasileira, fez questão de que nada lhes acontecesse após a instauração do novo regime.
As disposições transitórias da Constituição de 1891 consagraram-no postumamente como Fundador da República do Brasil. Morreu em 22 de janeiro de 1891.

Para saber mais, consulte os seguintes links:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Benjamin_Constant_Botelho_de_Magalh%C3%A3es
http://www.pantanalnews.com.br/contents.php?CID=31040
http://www.brasilescola.com/biografia/benjamin-constant-botelho.htm
http://www.correaneto.com.br/noticias/07/24_7_09benjamin.htm

Felgar - Noites no Prado


Deve ser do queijo.

O esquecimento de divulgar atempadamente as Noites do Prado no Felgar só pode ser do queijo. Dizem que faz mal à memória...

A verdade é que estive uns dias ausente.
Mesmo assim...

Mas fica o registo para memória futura!

sábado, 25 de julho de 2009

Luís Represas ao vivo em Torre de Moncorvo

Depois do êxito da peça de Teatro “ As Calcinhas Amarelas” com Tozé Martinho, a Câmara Municipal de Torre de Moncorvo promove, ainda no mês de Julho, um concerto com Luís Represas.
O espectáculo realiza-se dia 31 Julho, sexta-feira, e tem início às 22 horas no Cine-Teatro de Torre de Moncorvo.
O artista sobe ao palco acompanhado por Luís Fernando na guitarra e Hélder Godinho no piano.
Luís Represas, com 20 anos, junta-se a João Gil, Nuno Represas, Manuel Faria e Artur Costa e formam os Trovante. Foram dezasseis anos de carreira com a popular banda, com a qual gravou dez álbuns. Só depois da separação dos Trovante, em 1992, é que o artista inicia a sua carreira a solo. Desde então tem somado inúmeros êxitos com os seus nove discos editados.
Em Torre de Moncorvo, Luís Represas apresenta um espectáculo acústico onde revisita a sua carreira de muitos anos de música portuguesa.

Fonte:
Câmara Municipal de Torre de Moncorvo

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Tuna Popular Lousense

(continuação do “post” sobre o Intercéltico de Sendim)


Mas quem são estes músicos e como surgiram?
Como eles próprios se apresentam, são um grupo de amigos da freguesia da Lousa, residindo alguns no concelho de Torre de Moncorvo e outros bem longe daqui (como por ex. em Sintra), o que os faz percorrer longas distâncias para ensaiarem e tocarem. Tendo alguns já tocado juntos na sua juventude (é preciso que se note que são “jovens” hoje com idades superiores a 60 anos), resolveram, em dado momento, rememorar os seus bons velhos tempos, e, por volta de 1988-89, três elementos do grupo começaram de novo a tocar em conjunto. A estes associaram-se outros três elementos de outros grupo (entretanto dissolvido) e passaram a seis membros, aos quais se juntou um sétimo, tocador de viola. É preciso dizer que todos os instrumentos eram cordofones a que se juntou um tocador de ferrinhos, entretanto falecido e substituído por outro. Tocavam em ambientes familiares, como festas de aniversários. A sua primeira actuação pública parece ter ocorrido em 2001. E, a partir daqui, começaram a actuar em festas de Lares de Idosos, por todo o concelho de Torre de Moncorvo. Em 2007 estiveram na inauguração dos jardins da biblioteca municipal de Torre de Moncorvo, a convite da Câmara, e assim sucessivamente.
No repertório da tuna popular da Lousa (estes músicos tiveram alguma dificuldade em acertar com a sua própria designação porque não se consideram bem uma Tuna, que habitualmente tem mais elementos), constam melodias tradicionais da região Duriense, e há outras que foram inspiradas no repertório das bandas de música, inclusive militares (um dos membros participou na banda militar de Infantaria nº1 e na Banda da Carris, de Lisboa). Todavia, alguns são temas bastante antigos, talvez criados no século XIX. Parece que um padre da Lousa também terá composto alguns temas. Ou seja, quer pela temática, quer pelo instrumental, podemos situar este género musical entre o popular e o erudito, lembrando um pouco a riqueza da música popular da Europa central (Baviera, Àustria) muito influenciada (ou seria o contrário?) pela música de salão. Assim se explica a grande música vienense… Hoje, infelizmente, as tunas populares que tiveram grande sucesso no passado, também se encontram à beira da extinção. Este é o único grupo de que temos conhecimento no Douro Superior (se exceptuarmos os Fiarresgas de Foz-Côa, mais de tipo “rancho”). Por isso merecem todo o nosso carinho e apoio, para que não esmoreçam.
Para que conste, aqui ficam registados os seus nomes e respectivo instrumento:
Armando Cesário Moutinho – Bandolim baixo;
José Joaquim Pestana – Viola portuguesa;
Modesto Augusto Moutinho – Violino;
Orlando Espírito Santo Félix – Bandolim requinta;
Reinaldo Reto Queijo – Ferrinhos;
Samuel Santos Barbosa de Sousa – Bandola;
Serafim Sebastião Sousa – Viola portuguesa;
Vasco Espírito Santo – Guitarra portuguesa.
Alguns temas: À beira do Tejo; A Evarista; Os Marinheiros; Saudade; Machucho; Cancelão; Eterna; Valsa da Meia-noite. Segundo informação constante de um apontamento elaborado pelo Sr. Orlando Félix, “soube-se há pouco tempo que a Marcha dos Marinheiros” faz parte do Hino da Cidade de S. Paulo, Brasil”. O Sr. Samuel Sousa, noutro escrito para a história da tuna escreveu também que “esta era uma marcha brasileira que fazia parte do reportório da 1ª. banda musical da Lousa”. Ou seja, estas melodias são o que verdadeiramente hoje se pode chamar de “worldmusic” – sons que viajam, de cá para lá do mar, regressam, mesclam-se, passam para bandas e de bandas para tunas, do erudito para o popular e talvez vice-versa, criando paisagens sonoras cujas raízes estarão num fundo cultural difuso que é o da Europa rural, a do cheiro ao restolho, aqui com a Festa meridional, a sardinha e o copo de vinho, porque não durante as vindimas?, e noutras latitudes, sem vinho, com o cereal fermentado ou destilado, inspirações libadas em outros mágicos licores de célticas origens, todavia era a mesma Festa, o Som que escorre das diversas culturas, venha ele de concertinas, acordeóns, trikitixas, gaitas de foles, ou todo o género de cordofones, tudo nos une nesta diversidade, perdida que foi a celebração dos ritos das colheitas, ficando, no entanto, a reunião das tribos da Música.
Até Sendim. - Compareça para ouvir e apludir os representantes da nossa terra: os músicos da Tuna Popular Lousense!

Texto e fotos do autor do post - Em cima: grupo musical conhecido por tuna popular da Lousa, no momento das gravações, no auditório do Museu do Ferro em T. de Moncorvo; em baixo, outro momento das gravações, com o etnomusicólogo Mário Correia e sua equipa.

Tuna Popular da Lousa, presente no 10º Intercéltico de Sendim

«Na demanda dos sons da terra, rumámos para onde a paisagem entra nos olhos e não sai mais (Miguel Torga) e as pessoas se tornam amigas e não mais se esquecem. Mirandeses d'las arribas, gente que se confunde com a própria natureza, numa simbiose tão profunda como impenetrável, da qual emerge uma cultura de seculares origens que é seiva intemporal de uma identidade resistente que a memória colectiva oralmente transmitiu ao longo dos tempos». – MÁRIO CORREIA (Raiç e tradiçon)

O festival inter-céltico de Sendim (Terras de Miranda) realiza-se há 10 anos.
Mercê do labor persistente de Mário Correia (um homem do litoral que veio construir uma utopia no interior mais remoto) que resolveu trazer a música dita “céltica” dos grandes palcos do Porto para o lugar onde ela fazia mais sentido: o terriço de um “cú de judas”, onde o pó se levanta à mistura com o cheiro do restolho na comunhão mística com a Mãe-Terra, sob as estrelas coriscantes do planalto da nossa Celtécia mirandesa.
E o trabalho do Mário não se ficou pelo festival. Uma vez aí, como um verdadeiro garimpeiro, foi joeirando e arrancando do esquecimento grupos de cantares (como os das segadas de Caçarelhos), cantadeiras como Clementina Rosa Afonso, inúmeros gaiteiros, muitos deles já falecidos há muitos anos, deles descobrindo registos antigos, como os do alemão naturalizado americano Kurt Schindler (1882-1935), autor das primeiras recolhas fonográficas de música mirandesa (1932),com tudo isto, paulatinamente, M. Correia foi constituindo um acervo colossal que hoje conta com dezenas de CD’s, com a chancela da editora Sons da Terra, por si fundada. Mas há mais: além da revista Trad i Folk (10 números, sendo cada um o catálogo anual do festival de Sendim), tem ainda publicado alguns importantes livros para a história da música tradicional mirandesa, tais como Bi benir la Gaita (contributos para a história dos gaiteiros mirandeses) e Pauliteiros de Miranda (Cércio) – Viagem a Londres (sobre a actuação dos pauliteiros mirandeses no Royal Albert Hall, Janeiro, 1934, com edição de CD), além de vários artigos em revistas e “sites” da especialidade (quanto a “sites”, ver: http://www.attambur.com/OutrosSons/Portugal/SonsdaTerra/sons_da_terra.htm
http://www.attambur.com/Noticias/20022t/centro_de_musica_tradicional_sons_da_terra.htm
Mas a sua obra maior, quanto a nós, foi a criação do Centro de Música Tradicional Sons da Terra (sedeado em Sendim), onde se reúne uma Biblioteca especializada e a Fonoteca (Arquivo sonoro) com um importante acervo de música tradicional sobretudo transmontana. Aí se administram cursos de iniciação de instrumentos tradicionais do Planalto Mirandês" (gaita de foles, flauta pastoril, caixa e bombo), salvando as sonoridades que se estavam em risco absoluto de se perderem com a morte dos velhos gaiteiros das terras mirandesas. Há já alguns anos, a câmara de Miranda, numa tentativa bem intencionada de não deixar perder a música tradicional, chegou a transportar jovens para Espanha (Aliste), para aprenderem gaita de foles, tendo muitos deles entretanto desistido. Agora basta irem a Sendim.
Como sempre acontece, este labor não esteve nem está isento de escolhos, sendo, muitas vezes, as questiúnculas locais também um resultado das dinâmicas e da diversidade e do crescimento entretanto surgidos (só nos charcos e nos desertos não há polémicas). Todavia não se podem esquecer os contributos de associações locais como a Mirai Qu’Alforjas, os exímios Galandum Galundaina, os divertidos Picä Tumilho (inventores do rock mirandês), os SangriSulta, além dos famosos grupos de pauliteiros que continuam a pontuar nestas terras. Todos eles têm ajudado também a construir este Festival Intercéltico, concorrido por milhares e milhares de pessoas, vindas de toda a Península Ibérica, e até do resto da Europa. Aliás, o Intercéltico de Sendim é, desde há anos, uma referência no mapa dos festivais congéneres da Europa e por aí têm passado grandes grupos como os Oyesterband, Dervish, Hedningarna (este ano repetentes), os Musgaña, Hevia, Ultreia, Milladoiro, Gaiteiros de Lisboa, etc.. (para o corrente ano -ver o programa acima).
Entretanto, Mário Correia há já bastante que começou a alargar a sua área da acção e de recolhas para além das terras de Miranda, e além das gaitas de foles e do mundo das sonoridades mais rústicas. Assim, desta feita, abeirou-se do Douro e chegou a Torre de Moncorvo, o que nos encheu de satisfação. Conheci o Mário há cerca de 10 anos, talvez um pouco antes do 1º intercéltico, numa jornada etnomusicológica promovida pela Câmara Municipal de Miranda do Douro. Tornei-me num aficcionado dos festivais de Sendim e não perdi nenhum, chegando a acampar nos restolhos (ainda antes daquele improvisado parque de campismo).
Fomos conversando de longe a longe e, no ano passado, após uma actuação do grupo de músicos da Lousa/planalto a Oeste da Vilariça, aqui no Passeio da Pascoela promovido pela Junta de Freguesia de Torre de Moncorvo (com colaboração do PARM), convidei o Mário a vir cá. Não deu nessa ocasião, mas ficou para a Partidela da Amêndoa que se fez no Museu do Ferro em Outubro de 2008. O Mário ficou muito bem impressionado, tendo tirado algumas fotografias e feito um registo videográfico preliminar. Era uma “coisa” diferente, outras sonoridades, outros reportórios.
Já em 2009 (30 de Maio), o Mário voltou a Torre de Moncorvo com a sua equipa e com sofisticado equipamento de gravação, tendo feito um registo profissional, com objectivo de edição de um Cd. Ficou entretanto combinada uma actuação na presente edição do Intercéltico de Sendim, que vai acontecer entre os dias 31 de Julho e 1 de Agosto.
A participação da Tuna Popular da Lousa está prevista para o dia 1 de Agosto (sábado), ao final da tarde (a partir das 17;00 horas).

Professor Josino Amado



Do baú de escritos e outros papéis de meu Pai, que muitas vezes gosto de abrir e remexer, vou tirando coisas que me evocam figuras e situações que, sendo passado, não deixam por vezes de me emocionar .
Outro dia encontrei um pequeno opúsculo poético, designado Portugal, da autoria de Josino Amado, com dedicatória ao meu Pai como seu ex-aluno na escola primária em Urros.
Muitas vezes ouvi falar em minha casa do Professor Josino Amado, sempre com uma grande veneração e respeito.

Nasceu em Urros em 1894 e faleceu em 1968, estando sepultado segundo creio no cemitério da aldeia. Partiu muito jovem para Macau, onde frequentou o liceu. Regressado a Portugal, formou-se na Escola do Magistério Primário do Porto e iniciou a sua actividade docente. Revelou-se um grande pedagogo e veio a ser condecorado anos mais tarde pelo Presidente da República Craveiro Lopes.
O seu primeiro livro de poemas, Emigrado, foi publicado em 1929. Publicou depois outras obras poéticas: As Mondas, Miséria, O Semeador da Luz ( Memórias dum professor primário), Colori Gravuras e Fixai Conceitos, Os Meus Sonetos, Velhas e Novas Fábulas, Manes de Portugal, Rimas Educativas e Trás-os-Montes.
Nelas se revela um homem de grande cultura e elevação espiritual e que por toda a sua vida foi exemplo para muitas gerações.
Nunca o tendo conhecido pessoalmente, sempre o ouvi evocar como uma referência nesses recuados tempos.
Desse opúsculo, no qual se juntam alguns poemas dos anos 30, transcrevo parte do final de Portugal , evocando Timor, de Fevereiro de 1934. Poema obviamente datado, de um nacionalismo épico de matriz camoneana, não deixa de revelar uma linguagem poética de grande ritmo interior e um notável domínio da palavra e da imagem.
Aqui fica a minha homenagem ao Professor Josino Amado.



Para muitos os filhos de Caim,
És feral círculo infernal de Dante,
Filha longínqua, amada, és para mim,
Que mãe não esquece o filho seu distante!

Filhas queridas, da minha alma vidas,
Feitos dos meus heróis, luz do meu ser,
Em vós eternamente revividas
Da Pátria lusa as glórias hão-de ser!

Por vós eu mostrarei ao mundo inteiro,
Quanto é que vale a civilizadora
Acção dum povo heróico, marinheiro,
Que no mundo espargiu luz redentora!



(…)


Do fundo do mar ressurgirão ossadas
Das caravelas, naus e dos galeões,
Por defender-vos filhas adoradas,
De heróis repletas, armas e canhões!

Nasci pequena, mas não temo o imundo
Furor da hostil expoliação atroz,
Não é pequena quem descobre o mundo,
Quem tem Camões e filhas como vós!


quarta-feira, 22 de julho de 2009

António Alberto de Carvalho e Castro

O Sr. António Alberto de Carvalho e Castro publicou no Jornal “Terra Quente” de 1 de Julho de 1998, uma notícia sobre um seu parente homónimo, que animou Moncorvo na transição do séc. XIX para o XX. Aqui fica o extracto desse artigo.

“PORTUGUESA DE DESPORTOS
(…)
Desfolhava as páginas de “A Bola” no longínquo ano de 1950 quando deparei com uma local que rezava assim: - ‘No próximo número entrevista com António Alberto de Carvalho e Castro’.

Que diabo… Ninguém me contactou! Só que… mercê dum esforço inaudito na gestão dos “parcos” subsídios paternos com tendência para o superlativo absoluto de inferioridade … Lá comprei a dita Bola e me deparei com uma entrevista com o meu homónimo e, pasme-se, Moncorvense.

Tratava-se nem mais nem menos dum filho do meu tio avô – de igual nome – nascido em Moncorvo por volta dos anos 80 e muitos do século passado [XIX], conhecido pelo “sobriguet” de Carvalho Marmeleiro, nome duplamente arbóreo, resultante de ser neto do Visconde do Marmeleiro, e famoso pelas suas façanhas mais ou menos rocambulescas feitas em parceria com a rapaziada durante aquele tempo.

Num dos Carnavais dos idos desse fim de século, dedicava-se a percorrer os diversos sotos da nossa vila, sempre falando em prosa rimada repleta de espírito e em que aludia a acontecimentos sociais sucedidos na vila.

Mas o motivo próximo da sua emigração forçada para o Brasil baseou-se no facto de naqueles tempos todos os dias circular ao anoitecer por Moncorvo uma pipa de ferro que recebia os dejectos das várias casas do burgo.

Essa pipa em seguida era despejada na zona do Prado e a graça popular pôs ao local o nome de “Jasmineira”.

Pois certa noite de pândega, o grupo apoderou-se da pipa e despejou-a em plena praça de Moncorvo o que constituiu um grande pastelão…

Logicamente as autoridades de então, zelosas dos bons costumes da terra, quase restauraram a Inquisição e apodaram de heresia tal procedimento… E os bons antecedentes do dito senhor quase o levaram à prisão.

Nesta eminência, a família achou por bem proceder à sua evacuação compulsiva para terras de Santa Cruz.

Perderam-se certamente momentos de alegre patuscada, mas ganhou-se um Presidente de um grande Clube [Portuguesa de Desportos].

António Alberto de Carvalho e Castro”

terça-feira, 21 de julho de 2009

Poemas e outros II

A fotografia postada recentemente por Vasdoal, na qual retrata o pastor como um andarilho à volta da terra e à frente das ovelhas, levou-me a pensar no conto de Trindade Coelho “Idílio Rústico”, extraído da obra “Os Meus Amores” (1891) e inserido na colectânea Antologias Universais dedicada ao conto. “Idílio Rústico” figura ao lado de “Abyssus Abyssum” (conto do mesmo autor e incluído na mesma obra), no volume Os Melhores Contos Portugueses – Primeira Série (1971, 7ª edição), com Selecção, prefácio e notas de Guilherme de Castilho. Em Prefácio da 1ª Edição refere-se Castilho nos seguintes termos aos autores seleccionados para esta antologia: “O presente volume engloba os contistas portugueses do século XIX e alguns do século XX, e destes só os autores mortos de mais real interesse”(p. 10).
Em seguida, o trabalho de Júlia Biló acerca do “Dicionário de Transmontanismos” incentivou-me a uma repetida leitura do respectivo conto. Ao longo do corpo do texto não são só as palavras transmontanas que tocam o leitor do “Reino Maravilhoso” ou qualquer outro, é também a sua disposição na frase, a sintaxe que, apesar de familiar e de “sair da boca do povo”, soa tão bem e tudo diz. Frases lúcidas, expressivas e belas, muito belas: “ – Umas quartãs que me tiveram mondada!”; “ – Uh lá, Rosária, eu mesmo! Guarde-te Deus, pimpona!”; “ – Tanto é que tirava da frauta as cantigas que ela lhe tinha ensinado.” Quer seja o narrador, quer sejam as personagens, das “palavras de pedir pão” se compõe a prosa que só lembra poesia!...
A cena que se segue resulta desta súmula, da qual não se despega o subjectivismo do narrador. Por isso, o idílio dos dois pastorinhos, o Gonçalo e a Rosária, é de indescritível beleza por essa simplicidade e pela pureza de sentimentos. A infância em plena liberdade e responsabilidade atingem ali o seu clímax e quase que nos atreveríamos a acrescentar que a ausência de mácula lhe advém da inteireza do solo:

“Até que por fim chegaram, tinha anoitecido havia instantes. Gado dentro e toca a merendar; o que era de um era de outro: ele ainda trazia azeitonas, um naco de queijo, pão. Mal acabaram de comer, o Gonçalo apontou para a cabana que ficava ali perto, e propôs que se deitassem: estavam moídos da soalheira de todo o dia e da caminhada agora.
Quando o Gonçalo e a Rosária entraram na cabana e se deitaram sobre o colmo, cobrindo-se com as mantas, e achegando para a cabeça um do outro os bornais que faziam de travesseiro, cerrara de todo a noite, e formigueiros de estrelas cintilavam vivezas de prata polida no azul indefinido do céu.
- E os lobos? – perguntou a Rosária com medo.
- Não há perigo – tranquilizou-a o Gonçalo. – Isso é lá com os cães. “ (“Idílio Rústico”, in Antologias Universais - Conto)

Foi o colmo que lhes tranquilizou os sentidos, como quando Miguel Torga também o avistou a partir do seu roteiro literário “Portugal” na transição do Gerês para Trás-os-Montes. Continuemos nós também a valorizar os nossos ilustres, pois neste conto encontramos uma bela história para fazer adormecer tranquilamente nossos filhos. Sem que também esqueçamos de os elucidar acerca das brincadeiras tão salutares que estas páginas enumeram: tocar frauta, fazer bilros “torneados”, contos de moiras, o jogo do fito, da bilharda, a pocinha…

Boa leitura de “Os Meus Amores”, de Trindade Coelho!

Texto: Isabel Mateus
Fotografia: João Costa

Exposição "Vestígios" - inauguração

Conforme anunciado, foi inaugurada no passado sábado, dia 18 de Julho, a exposição VESTÍGIOS... - Património Arqueológico e Arquitectónico da região de Moncorvo, organizada pelo Museu do Ferro & da Região de Moncorvo em articulação com o PARM, e patrocinada pelo município através da dotação orçamental para o Museu.

Momento da inauguração, dia 18.07.2009 (foto Patrick Esteves/Foto-Bento)

Esta mostra comporta 10 painéis fotográficos, organizados cronologicamente, desde os Tempos Pré-históricos, passando pelo mundo "Castrejo", o período da Romanização (com uma agricultura intensiva, a mineração/metalurgia e a difusão da Escrita), a Idade Média (com as características necrópoles de sepulturas escavadas na rocha, povoados fortificados e aldeias, a arquitectura românica com vestígios na desaparecida capela de S. Mamede do Baldoeiro e a igreja matriz de Adeganha, o castelo e vila de Torre de Meem Corvo), a Idade Moderna (com a igreja matriz de Torre de Moncorvo, a igreja da Misericórdia, a ponte do Sabor, o eremitério da Srª. da Teixeira com os seus frescos, fontes e chafarizes, solares, etc.), os antigos caminhos lajeados (praticamente todos destruídos nos últimos 20-3o anos!), o património rural, a arqueologia industrial e mineira...
Este acervo fotográfico resulta na quase totalidade dos Arquivos do PARM, com bastantes fotografias a preto & branco, com mais de 20 anos. Não são imagens de profissionais da fotografia mas sim de jovens arqueólogos (ou candidatos a tal) que, com entusiasmo, em boa hora registaram valores patrimoniais que hoje não são mais que meros "Vestígios", em alguns casos já desaparecidos.

O Dr. Rui Leonardo (co-organizador da exposição) explicando o painel sobre o período "castrejo" (Idade do Ferro) na região (foto N.Campos)
Além das fotografias, complementam a exposição uma série de objectos, que começam logo a aparecer no início do percurso, ao entrar-se na galeria do Museu que dá passagem para os jardins das traseiras: uma pedra decorada românica proveniente da desaparecida capela de S. Mamede (Baldoeiro); um pequeno sarcófago medieval recolhido na Adeganha, nos anos 80, várias pedras da igreja de Santiago da Torre de Moncorvo, a primitiva igreja do povoado, ainda antes de ser vila (referida nos meados do séc. XIII) , etc., e, finalmente, no interior do auditório, mais peças em granito, em xisto, machados polidos, cerâmicas, moedas, etc. Tudo disposto de forma a contar uma história, a história da nossa região nos últimos 15 a 20.000 anos... uma longa viagem aqui resumida através de uma série de Vestígios...
Logo no início é feita uma evocação dos pioneiros que estão na base dos primeiros reconhecimentos arqueológicos realizados na região, desde há mais de 100 anos: Abade José Augusto Tavares (1868-1935), Professor Santos Júnior (1901-1990), Professor Adriano Vasco Rodrigues, entre outros, culminando no aparecimento do PARM em 1983, no seguimento dos primeiros trabalhos individuais e incipientes de um dos elementos do grupo. Este grupo informal só viria a adquirir a fórmula jurídica de associação sem fins lucrativos (que ainda hoje mantém), por escritura pública celebrada em finais de 1986.

O Presidente da Câmara, Engº Aires Ferreira, observando atentamente a exposição (foto Patrick Esteves/Foto-Bento)

A última grande exposição sobre Arqueologia e Património edificado da região foi organizada pelo PARM em 1986 (sendo reeditada em 1987, a pedido do município, por ocasião de uma visita do então Presidente da República, Dr. Mário Soares). Algumas imagens agora patentes foram aproveitadas dessa mostra, obviamente noutro tipo de suporte. A ideia da exposição surgiu no início do ano de 2009, após a entrega do relatório e ficheiro do inventário arqueológico do concelho para o novo PDM. Após se terem revisitado os Arquivos e ficheiros da associação, entendeu-se pertinente voltar-se a fazer um novo balanço dos conhecimentos, até porque se poderia constituir um embrião da sala de Arqueologia e História que desde sempre esteve prevista no âmbito do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo.
A razão de ser neste período do ano prende-se com o impacto que se pretende dar ao evento, uma vez que durante o Verão é sempre maior o número de visitantes, quer sejam moncorvenses que se encontram a trabalhar fora e que "vêm à terra" nesta época, quer sejam turistas de outras paragens, interessados em alternativas ao "sol e praia".

Aspecto geral da exposição, no auditório do Museu do Ferro & da Região de Moncorvo (foto Patrick Esteves/Foto-Bento)
Esperamos manter esta exposição com carácter programático e permanente até à organização da sala de Arqueologia & História do Museu. No entanto, como é possível que algumas peças venham a ser recolhidas por motivos de conservação, recomendamos vivamente a sua visita quanto antes, aproveitando este período de férias de Verão. De caminho pode dar um salto ao Centro de Memória e saber mais sobre a história contemporânea de Torre de Moncorvo, complementando a sua viagem temporal. - Pode crer que depois de estar na posse destas "chaves de leitura" vai apreciar melhor os monumentos, o urbanismo, as paisagens e as pessoas. Depois dessa introdução, terá decerto entrado no espírito da terra... desta terra.
Para saber mais, ver o blogue do PARM: http://parm-moncorvo.blogspot.com/

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Caracterização de Homem e Mulher à luz do "Dicionário de Transmontanismos” de Adamir Dias e Manuela Tender* II - por Júlia de Barros G. Ribeiro

(continuação do post anterior e conclusão)

Então, vejamos: de acordo com as listagens, o pior que pode chamar-se a um homem é: “chavelhudo, cornampas, galheiro, panacho”, ou seja, “cornudo”.
Ora, se tal acontece, a culpa é da mulher. E se o homem está amantizado , dir-se-á que é “aputado”, sendo ainda a mulher a ter de carregar com esta culpa… vocabular.
De resto, (exceptuando o termo “azeiteiro”, há uns 50 ou 60 anos o pior insulto que se podia lançar a um homem), epítetos como: “mandongueiro, mantilheiro, mentrasteiro, saioleiro” isto é, “mulherengo”, eram tidos quase como elogios, ainda que , por vezes, um tanto velados.
Vemos pela presente listagem que o homem é essencialmente “labrego, vadio, aldrabão, preguiçoso, lorpa…” . (almanicha, cerdo, chambas, lafrau, zorrão… etc. etc.) .

Mas, se bem repararmos, não há homem “de má nota” nem “de mau porte”. Isso é reservado à mulher: em 57 ocorrências negativas, a mulher é mais de uma dúzia de vezes apodada de “Mulher de má nota” e “de mau porte” (azagal, bornal, calandrina, calhau, coldre, etc. etc. ). Se a estes mimos acrescentarmos o ferrete de “rameira, meretriz, concubina, prostituta, putéfia, vagabunda, desprezível, muito reles, desavergonhada…” ( calatrão, castelã, cóia, estardalho, franjosca, ganirra, juco, etc. etc. ) então chegamos às três dúzias dos piores insultos. Com “alcoviteira, mentirosa, preguiçosa…” (belbroteira, merondeira, zopeira… etc. ) teremos a lista completa.

Daí, poder inferir-se que, apesar de menor número de características morais negativas atribuídas à mulher, a sua carga pejorativa é muito mais pesada.

Mas, nem tudo é mau: quanto ao aspecto físico, a nota, altamente positiva, pertence às mulheres: contra 1 “mancebo forte” (azagal) – repare-se que ainda nem é homem feito - , há 8 “mulheres elegantes, atraentes, bem feitas, jeitosas” (adengada, janguista, repolhaça, seitoira …) .

No respeitante a características físicas negativas, não há diferenças muito acentuadas entre homens e mulheres: elas são “altas e magrizelas, lingrinhas, féias , desajeitadas…”
(estauta, canoa, galdrapa, lusmeia…) ; eles são: “atarracados, gordos, balofos, grosseiros…” (alforgeiro, bazulaque, charrasco, porcho…) .

Gostaria de terminar com umas palavras que, um dia, Mark Twain escreveu : “Nunca procurei, em caso algum, tornar cultas as classes cultas. Não estava equipado para o fazer. Faltavam-me os dotes naturais e a preparação”.

Tal como Twain, também não pretendi escrevinhar “coisas cultas”. Tive em vista, sobretudo, as pessoas comuns que, como eu, gostam de rever algo que faz parte do seu imaginário e da sua herança cultural.[1]

[1] Mark Twain, 1889, em carta a Andrew Lang. Cit. por Italo Calvino, in “Porquê Ler os Clássicos?”, Ed. Teorema, Lisboa, 1994, p. 159.

Caracterização de Homem e Mulher à luz do "Dicionário de Transmontanismos” de Adamir Dias e Manuela Tender* I - por Júlia de Barros G. Ribeiro

*Adamir Dias e Manuela Tender ( Coord.), Dicionário de Transmontanismos
USAF – Universidade Senior e do Autodidacta Flaviense, Chaves,
Ed. da Associação Rotary Club de Chaves, 2005

Como transmontana, li o Dicionário referido em epígrafe quase de um fôlego e, devo acrescentar, foi uma leitura de real comprazimento. Estão de parabéns os autores e seus colaboradores, pois se trata de uma obra de interesse não só regional mas de alargado âmbito, bem como de um trabalho sério e de aturada investigação.

Após a leitura fiquei com a ideia de que há neste dicionário
1. mais vocábulos referentes a mulheres do que a homens;
2. que todos esses termos comportam uma carga mais negativa do que positiva;
3. e os que designam e qualificam “mulheres” são marcadamente mais pejorativos do que os que designam ou qualificam “homens”.

Procedi a uma segunda, e muito atenta, leitura e fui marcando os vocábulos de acordo com a ideia colhida. Fiz várias listagens com que não vos vou maçar aqui e terminei com 4 listas assim distribuídas e subdivididas: Características Físicas Positivas e Características Físicas Negativas (uma para homens e outra para mulheres) e, seguindo a mesma linha, Características Morais Positivas e Características Morais Negativas. Previamente, havia eliminado todos os substantivos e adjectivos comuns aos dois géneros.

O próprio dicionário era muitas vezes explícito quanto ao uso dos vocábulos - por exemplo:

Abechucho, s.m. - Homem encorpado e desajeitado
Calharós , s.f. – Mulher alta e desengonçada.
Azagal , s.m. - Mancebo forte.
Azagal , s.f. - Mulher de má nota.
Bacamarte , s.m. - Pessoa grande e desajeitada.
Bacamarte, s.m. - Mulher dissoluta e desregrada.
Basculho, s.m. - Pessoa grande e mal amanhada.
Basculho, s.m. - Mulher badalhoca e feia.


Posto isto, vejamos:

a) Quanto ao 1º. pressuposto: “Há mais vocábulos referentes a Mulheres do que a Homens”, das listas elaboradas, resultou o quadro seguinte:

HOMENS / MULHERES:
Características Físicas Positivas: H: 1 / M: 8
Características Físicas Negativas: H: 21 / M: 20
Características Morais Positivas: H: 1 / M: 1
Características Morais Negativas: H: 65 / M: 57
Total: H: 88 / M: 86

- verifica-se que este pressuposto não se confirma.

b) Já no que diz respeito ao 2º pressuposto: “Todos esses termos comportam uma carga mais negativa do que positiva”, confirmou-se plenamente, uma vez que a acepção negativa ocorre para os homens 86 vezes e para as mulheres 77 vezes (perfazendo um total 163 ocorrências negativas),

HOMENS / MULHERES:
Características Físicas Negativas: H: 21 / M: 20
Características Morais Negativas H: 65 / M: 57
Total: H: 86 / M: 77

contra 2 acepções positivas para os homens e 9 para as mulheres (perfazendo um total de 11 ocorrências positivas).


HOMENS / MULHERES:
Características Físicas Positivas: H: 1 / M: 8
Características Morais Positivas H: 1 / M: 1
Total: H: 2 / M: 9

Parece poder inferir-se que os aspectos negativos do carácter e do comportamento, quer do homem quer da mulher, marcam mais o nosso imaginário e a nossa vida e perduram mais na nossa memória do que os aspectos positivos.

c) Finalmente, quanto ao 3º. pressuposto: "Os vocábulos que designam e qualificam Mulheres são marcadamente mais pejorativos do que os que designam e qualificam Homens”, parece não haver dúvidas que a mulher - em 57 vocábulos contra 65 referentes ao homem – é, moralmente, muito mais mal tratada que o seu parceiro.

Por: Júlia de Barros G. Ribeiro (Biló)

(Continua)

domingo, 19 de julho de 2009

Felgar - Pagadores de Promessas

Festa de Nª Sª do Amparo - Felgar

Domingo, 24 de Agosto de 1958.






Na praça, em frente à igreja matriz, aguarda-se a saída da procissão.

Descalço, com um saco de trigo de quatro ou cinco alqueires aos ombros, o pagador prepara-se para uma longa e lenta caminhada de mais de duas horas que só terminará quando o trigo for entregue na Casa dos Milagres, já no Santuário.

Durante o percurso fará duas breves pousas para descansar e aguentará estoicamente o esforço, movido por algo maior que ele: a crença.


Os mordomos usavam uma braçadeira que os identificava. Reparem no lado esquerdo da imagem.

sábado, 18 de julho de 2009

Pires Cabral e Mia Couto

Mia Couto e A.M. Pires Cabral, no lançamento do livro "Jesusalém", no dia 16, no Museu da Vila Velha , em Vila Real. Portugal e Moçambique unidos pela literatura em língua portuguesa.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Exposição "Vestígios"


Amanhã, dia 18, pelas 16.00 horas, é inaugurada a exposição "VESTÍGIOS... Património Arqueológico e Arquitectónico da Região de Moncorvo", no Museu do Ferro & da Região de Moncorvo.

Para mais informações consultar o site do PARM.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Morreu Palma Inácio

Aos 87 anos, morreu Palma Inácio, o nosso último herói romântico.
Vai fazer, no próximo Agosto, 41 anos que Palma Inácio foi preso em Moncorvo, esbofeteado e encarcerado no quartel da GNR, hoje o Museu do Ferro, numa cela que ainda existe, e que eu já visitei, embora recuperada para as funções do Museu.
Fui amigo, nos últimos anos, de Palma Inácio. Almoçávamos com frequência. Nunca o ouvi dizer mal de ninguém, mesmo dos seus algozes ( à excepção, que eu nunca compreendi, de Guterres). Só bebia vinho tinto e fumava cachimbo. Foi um sedutor durante toda a vida que acabou num lar, pago pelos amigos, pois a reforma que tinha, equivalente ao salário mínimo, não era suficiente. Era o homem mais modesto que eu conheci. Nunca teve cargos políticos e nunca aceitou que nas acções da LUAR algum operacional matasse ou mesmo ferisse alguém. Nunca foi um político, apenas um anti-fascista. Alguém me contou, talvez ele -- que a memória também me vai falhando-- que aquando da sua prisão em Moncorvo, onde ele ia buscar alimentos para outros operacionais que tinham ficado em Mogadouro, pois o carro destes rebentara e ele não os quis abandonar, foi insultado, com exigências de quase linchamento por parte de algumas criaturas de Moncorvo, ainda hoje vivas, e que deveriam ter remorsos, enquanto uma velha a quem ele encontrou quando já estava algemado e ele lhe disse: "Minha senhora eu não sou um preso comum, eu sou um preso político", essa senhora, esssa velha da aldeia lhe respondeu: "Se eu soubesse issso tinha-lhe trazido um pão". Desculpem-me esta viagem emocionada em torno da vida de um homem que podia ter tido tudo e não quis nada, a ponto de morrer na mais profunda pobreza, mas na maior dignidade. Um dia, no almoço, disse-lhe, meio a brincar, meio a sério: "O agente Serra ( o polícia que começou aos tiros na Praça) anda com medo que lhe façam alguma coisa". Ele sorriu e disse-me: "Pode estar descansado". Palma Inácio não permitiu sequer aos seus homens da LUAR que agridissem ou matassem, logo depois do 25 de Abril, o tipo que os denunciou a todos, o Canário, que tinha e ainda terá um bar na Caparica. Não queria violência, nem vingança.
No dia 14 de Julho, simbolicamente no dia em que os sans cullotes, dirigidos por Camille Desmoulins ocuparam e incendiaram a Bastilha, morria Palma Inácio. Muita gente foi ao seu velório, no Largo de Rato. E às 11 da noite, por ironia do destino, por brincadeira de mau gosto, a sala do velório teve que ser evacuada, pelo anúncio falso de uma bomba. Nunca Palma Inácio foi bombista e o fascismo de colarinho branco ou cabelo rapado, assenta a sua coragem na cobardia do anonimato. Paz, muita paz a este homem bom que nos deixou. Este homem que leva com ele parte do nosso sonho por um mundo melhor.

Abrigo de pastor

Abrigo algures na Açoreira, já a espreitar o Douro. ( J. Costa -2008)

Vida errante a do pastor, mas sedutora, pelo contínuo abraço à terra.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Harmonia

Sequeiros, Moncorvo (J. Costa - 2008)

Impressionante a escolha do pássaro para o seu miradouro - não sei se foi a ave que retirou da Natureza as cores para se camuflar ou a natureza que criou a ave com os materiais de que dispunha mesmo ali. Será que o pássaro não é mais do que um fragmento da pedra, atento nos ramos secos de amendoeira?

De Trás-do-Ferro

J. Costa (2008)-Moncorvo.

Bicentenária
de um rolo alquímico
de sabores e memórias.
Um âmago que fervilha
de cultura.

Poemas e outros

As Quintas são a criação
Feita por Deus.
As Quintas são a promessa
Encarnada na Virgem.
As Quintas são o Cristo vivo
Errando, subindo aos Montes sagrados.
Sagrados e delegados a Ti…

Num esboço de pequeno poema sem data, estas eram as minhas Quintas (do Corisco) ao longe, muito longe a partir de Évora nos recuados tempos da Universidade, em finais dos anos 80.
Em poema datado de 1-5-1989, também germinado na planície do sempre saudoso Alentejo, alargo a minha reflexão e a necessidade de identidade, ou melhor, de identificação a um Trás-os-Montes que não conheço na totalidade. Tal como o Malapeira de Outros Contos da Montanha, quando deixei as fragas havia ainda muito por desbravar nessas terras. E ainda há!...

Minha Terra, Minha Gente

Terra bravia agreste
Gente vulgar e rude
Que caminha nos penhascos
Como a sombra do sol.
Terra mirrada e seca
Seiva no fundo plantada
Cola seus pés às raízes
Como o luar à noite.
Terra da viva saudade…

Continuo, pois, a falar do todo a partir do Eu e das Quintas para Trás-os-Montes. Ou como diria o meu querido ilustre transmontano e cidadão do mundo Miguel Torga, apesar de numa escala mais reduzida: “O universal é o local sem paredes”.

Projecto que lhe pairava na ideia desde os bancos da universidade, Outros Contos da Montanha, aos quais já me referi, foram sendo protelados por outros poemas de muita saudade e angústia, cujo desejo de regresso adiado se repetia no tema. Quando neste mês de Agosto passar pelos Lombinhos vai certamente ter sensações idênticas que não vale a pena aqui relembrar. Terá aí durante uns dias a recompensa do filho pródigo torna-viagem. Contudo, do alto dos Lombinhos vai o Contador de histórias recordar-lhe a cada momento que aquelas gentes que habitam o lugar não estão de férias e que precisam de um AUTOCARRO com rodas e volante que os ligue à vida. Quase todos entre a casa dos 60 e dos 100 anos, os Malapeiras, os Manéis das Vacas e os descendentes das Grabulhas precisam agora muito de ir à Vila ao doutor, à botica e as pensões nem sempre esticam!...
Deixa-vos o Contador de histórias nestas linhas um final feliz, que se espera contagiante:
“Ela morreu realmente ali. Os seus ossos descansam no alto dos Lombinhos onde a torga, a carqueja, a giesta, a esteva, o alecrim, a bela-luz e o rosmaninho lhe aromatizam a sepultura, os pinheiros lhe fornecem a sombra e a abrigam da chuva e os pássaros a entretêm com a sua cantilena. Do alto da lomba, posição estratégica que escolheu em vida, vigia os que na Granja seguem a sua utopia (reabilitar a comunidade gregária da Granja), enquanto como guardiã da fronteira da Granja com o mundo avalia friamente o transeunte.” (Isabel Mateus, in Outros Contos da Montanha)

Cândida Monte
Texto: Isabel Mateus

domingo, 12 de julho de 2009

Foz do Sabor

Uma sugestão para estes acalorados dias de Julho: o ponto onde o Sabor e o Douro se abraçam...
Neste lugar tranquilo, sombreado por frondosas árvores, pode fazer um piquenique familiar, ou, numa tarde domingueira, "saborear" (já que de Sabor se trata) a leitura tranquila de um bom livro... ou aproveitar para tirar umas fotografias com a respectiva cara-metade... ou dar uma passeata de barco...

... ou ainda tomar uma bebida fresquinha no Bar da Praia da Foz do Sabor, na esplanada alta de onde se avista a caprichosa curva que o Douro descreve, rodeando o monte Meão... Ah, e o atendimento é simpático, eficiente e de sorriso encantador... parecerá que está em Cancun, mas sem o perigo de mexicanas gripes (a señorita, apesar de parecer índia navajo, é portuguesíssima, do vale da Vilariça)...

... mais uma nota de tranquilidade azul: um dos últimos barcos típicos do Douro, dos peixeiros que do rio fazem saltar as encantadoras boguinhas e excelsos barbiscos e que, depois de passarem pela sertã, fazem as nossas delícias, bem regados pelos preciosos néctares desta região...
Fica a nossa proposta. Garantidamente umas férias de luxo!
Ah, pode levar tenda e acampar.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Insónia

Cinco da manhã. Mais coisa menos coisa.
Ainda o galo não tinha cantado, já o rapaz andava às voltas na cama.
Acordar precoce?...
Há dias assim. Então o melhor é aproveitar.
Em vez de ficar à espera do sono que teimava em não regressar, levantou-se e foi desfrutar um momento mágico: o nascer de um novo dia.
Já na varanda olhou para o recorte da vila. A máquina fotográfica estava ali ao lado a pedir uso. Colocada no tripé fez o serviço que lhe competia.
O rapaz, esse, ficou sentado a contemplar. Não sei se em êxtase, se em notória falta de umas quantas horas de sono reparador.

Mas que foi bonito, lá isso foi.

Ora vejam lá.
E ouçam, se puderem.

Bom dia!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Mérito Cultural e Científico

João P.V.Costa, nascido em Alpendorada, com forte ligação a Moncorvo e colaborador neste blog, foi recentemente distinguido com a Medalha de Mérito Cultural e Científico do Município do Marco de Canaveses, Classe Prata. A Sessão solene realizar-se-á no dia 18 de Julho, às 11 horas, no Largo Sacadura Cabral, em frente ao edifício da Câmara Municipal.
Lembra-se que uma das suas obras - " Alpendorada e Matos -Península de História" apresenta o prefácio de Nelson Campos.
Estão todos convidados

terça-feira, 7 de julho de 2009

Amêndoas de brincar


Enquanto se aproxima a apanha da amêndoa, vem à memória, por entre o calor estaladiço das cigarras e a chuva de piolhos das amendoeiras, os suaves brinquedos de infância doados por esta árvore.

As amêndoas geminadas eram os calções utilizados para os bonecos ou bonecas.


A rela ou arraioco, geralmente construído com uma noz, também se fazia com uma amêndoa. Deste brinquedo nasceria, talvez, o yo-yo.

Numa grande variedade de assobios feitos a partir de caroços de frutos ( azeitona, pêssego, damasco...) também a amêndoa serve para dar uma assobiadela.

José Lopes (1930-2000)


Hesitei em escrever este post, por não saber se será oportuno, depois de tão belos momentos de escrita e imagem, que têm passado por aqui. Porém, devido a um repto de um leitor, na sequência de um post anterior (ver "Em Moncorvo"), aqui deixo umas linhas sobre autor do poema.

---

José Lopes nasceu em 1930, em Cerejais. Durante a sua infância residiu nos Cerejais, Alfândega da Fé, Torre de Moncorvo (num breve intervalo) e principalmente no Porto. Com cerca de 10 anos, a sua mãe falece de doença prolongada. É a partir desta data que se inicia na poesia. Para agravar, o seu estado de saúde foi, até à idade adulta, bastante frágil. Conclui o Liceu no Porto, e acaba por ingressar na Faculdade de Letras em Coimbra, no curso de Histórico-Filosóficas. O seu interesse fundamental é a Filosofia, terminando a licenciatura em meados dos anos 50, depois de uma vida académica muito animada e onde adquiriu e cultivou várias amizades. Ingressa no Ensino Liceal, leccionando História e Filosofia, passando por vários liceus do Norte do País.

Durante esta fase da sua vida, a sua relação com Moncorvo é bastante intensa, particularmente nas férias, onde conta com um grupo bastante extenso de amigos. A sua boa disposição, dinamismo e iniciativa, leva-o a organizar ou participar em várias actividades, nomeadamente no Carnaval, ou nos espectáculos do Cine-Teatro. Aqui, conhece a sua grande paixão, Alice, natural e residente em Moncorvo, que morre ainda jovem. Este acontecimento que marca-o indelevelmente, levando-o a tomar luto vitalício e a queimar a maior dos seus poemas e escritos.

No início da década de 60 decide ir viver para Lisboa, aí terminando a sua carreira profissional em 1997. Nesse mesmo ano, decide regressar a Trás-os-Montes, vindo residir para Moncorvo. Faleceu no dia 13 de Janeiro de 2000.

A sua personalidade, em traços breves pode-se caracterizar por ser, em primeiro lugar, uma pessoa extremamente autónoma e independente. Por outro lado, foi sempre um pensador e humanista. Na intimidade era bastante reservado, sério e leal; já em termos sociais, era extremamente extrovertido, simpático e dinâmico. Escrevia continuamente, ocultando sempre os seus textos. Escreveu vários romances, poemas e contos, que nunca quis divulgar, por os considerar de qualidade inferior. Era também um cinéfilo extraordinário, e profundo amante das tecnologias.

Em suma, José Lopes é só mais um moncorvense, como tantos outros, conhecido no seu tempo, e que poderá passar olvidado para a eternidade.

(Fotografia: Arquivo Particular)

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Esporas



Esta planta ( Delphinium ajacis) espontânea , que na sua beleza rivaliza com as do jardim, ainda pode admirada nas bermas dos caminhos.

A torre da Teixeira

Ermida da Sª da Teixeira
( Maio de 2005- J.Costa)

domingo, 5 de julho de 2009

Felgar - destino perfeito



O Expresso de ontem (04.07.2009) fez-se acompanhar de um "Mapa do Ar Livre - Norte Centro".

Entre várias sugestões, aponta para "Os dez melhores espaços ao ar livre para..." e enumera um conjunto actividades: fazer um piquenique, acampar, levar os miúdos, namorar, andar de bicicleta, nadar, escalar, correr, e outras.

Um dos de destinos perfeitos para se visitar acompanhado e namorar é o Felgar.

É interessante ver a nossa aldeia referenciada como um local aprazível.

E não mentem. Garanto eu!
Bora lá, até ao Felgar!!!





sábado, 4 de julho de 2009

Uma canção do Zeca Afonso

Ao ler Os Dias Loucos do PREC , de Adelino Gomes e José Pedro Castanheira, edição em parceria do Público e Expresso , encontrei, com alguma surpresa excertos de uma crónica minha de que já mal tinha memória e de que não guardo o original ou qualquer cópia, uma crónica, dizia, sobre uma tal Teresa Torga que deu origem a uma célebre canção do Zeca Afonso. Já me tinha esquecido. Deixo-vos esta surpresa, para mim próprio também surpresa, copiando o que estes dois jornalistas foram buscar nos arquivos do Diário de Lisboa. Gostaria de referir que trabalhei durante anos com o José Pedro Castanheira em O Jornal e durante alguns anos com o Adelino Gomes no Público. Aqui fica o registo que pode ser lido na página 107/8 do citado livro.

"Quarta.feira, 7 Maio 1975 'Quem se despiu na via pública, ontem, às 4 da tarde?'
(...)
"No DL, R.R. ((Rogério Rodrigues) conta a história de uma mulher " de que não se conhecia o nome" , que ontem, às quatro da tarde fazia streap-tease enquanto dançava, ao centro do cruzamento da Avenida Miguel Bombarda com a Avenida 5 de Outubro.
"Visivelmente surpreendidos, alguns espectadores da cena, invulgar em ruas de Lisboa, dirigiram-se para a mulher no intento de a proteger das vistas de quem passava e de quem parava, persuadi-la a vestir-se e abandonar o local. No meio da confusão, surge o repórter António Capela, que começa a disparar. Os populares, indignados com o que consideram 'uma baixeza moral', investem sobre ele, insultam-no, empurram-no, agridem-no e só a intervenção do proprietário da drogaria vizinha impede que não lhe partam a máquina (...)Entretanto a mulher tinha sido levada para o limiar de um prédio com porteita à porta. Já vestida, olhava apática para as pessoas que a rodeavam. Dizem-me que se chamava Maria Teresa.'Não sou Maria. Não sou Teresa. Tenho muitos nomes'.Tinha os lábios encortiçados e recusava o copo de água que lhe ofereciam".
"Quem se despiu na via pública, ontem, às 4 da tarde?", interroga-se o jornalista, que passa a contar o percurso de vida, entretanto averiguado, de uma mulher de 41 anos, divorciada, sucessivamente actriz de revista, emigrante no Brasil, cantora de fado e que agora, no intervalo de tratamento no Júlio de Matos, "mudava discos no pick-up" de uma boite de Benfica.
Usava o nome de Teresa Torga " porque há um escritor que se chama assim" e ela gostava muito de ler, conta uma vizinha. A última vez que o repórter a viu seguia ela num carro da polícia para a esquadr do Matadouro.
Zeca Afonso lê a crónica, magnífica, põe-lhe notas e voz, e imortaliza-a."

No centro da Avenida
No cruzamento da rua
Às quatro em ponto perdida
Dançava uma mulher nua

(...) Dizem que se chama Teresa
Seu nome é Teresa Torga
Muda o pick-up em Benfica
Atura a malta da borga

Aluga quartos de casa
Mas já foi primeira estrela
Agora é modelo à força
Que o diga António Capela

T'resa Torga, T'resa Torga
Vencida numa fornalha
Não há bandeira sem luta
Não há luta sem batalha.

José Afonso, Teresa Torga
in álbum "Com as minhas tamanquinhas", 1976


Adenda: Tenho pena de não ter comigo a crónica completa, mas eu raramente guardo os meus trabalhos. Por vezes, envio-os a amigos meus, com a esperança de se não perderem e como das poucas coisas que eu posso oferecer a quem tenho afecto. Espero que não me levem a mal e não julguem que este registo é para me sentia a bem comigo mesmo. Não passa de um registo. Apenas isso. Sem mais importância do que isso. Na altura desta crónica, eu era responsável no Diário de Lisboa pelo sector de Educação a cujo Ministério ia procurar notícias ( hoje são as notícias que procuram os jornalistas)... O Ministério da Educação ficava, como fica, na Cinco de Outubro. Não sei se trouxe alguma notícia do Ministério. Mas sei que fiz uma crónica. E aqui tenho o exclusivo. Era o único jornalista presente.

Dr.José António de Sá, Corregedor da Comarca de Moncorvo


No ano de 1790 Moncorvo era cabeça de comarca.
Por nomeação régia era então Corregedor da comarca o Dr. José António de Sá,natural de Bragança, doutor em leis pela Universidade de Coimbra em 16 de Maio de 1782. Tinha decidido dedicar-se à magistratura e esse era o seu primeiro cargo.
Seria depois desembargador da Relação do Porto, superintendente geral das Décimas da Corte e do Reino (cargo este que exerceu na sua própria casa de onde despachava) e superintendente geral das Décimas de Lisboa e seu termo até falecer, o que sucedeu em Lisboa, na sua quinta do Pinheiro a Sete Rios em 14 de Fevereiro de 1819.
Foi também juiz conservador da Real Companhia e director da Real Fábrica das Sedas e Águas Livres, conselheiro honorário da Fazenda e ainda cavaleiro professo da Ordem de S.Tiago da Espada e sócio da Academia Real das Ciências de Lisboa.
A vida deste notável personagem cruza-se com a história de Moncorvo numa altura em que a vila detinha uma predominância económica e jurídica, em função de algum desenvolvimento agroflorestal e também de alguma indústria, nomeadamente a da seda . Foi um período de notório desenvolvimento, a merecer talvez um estudo aprofundado.
O Corregedor Dr. José António de Sá encontrou uma série de desvios de poder e ilegalidades que minuciosamente descreve nesta Memória, para além da miserável situação do povo, assoberbado com prepotências e arbitrariedades de toda a ordem. Em particular os lavradores eram explorados e até vexados, quer pelos senhorios, quer pelos poderes locais , para além do peso insuportável das contribuições régias, eclesiásticas e senhoriais.
Trata-se de um documento de grande profundidade e até de grande coragem cívica, o qual merece toda a atenção. Nele refere o Dr. José António de Sá “as maiores violências que eu não acreditaria se as obrigações do meu cargo mas não fizesse ver meudamente”.
Aponta o erro e de seguida aponta a correição, num intuito moralizador e de respeito pela justiça, pela sociedade e pela Lei.
É uma figura quase ignorada da história de Moncorvo, mas exemplar.
E talvez muito actual.

Texto completo em:




http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/6066.pdf


Fontes:


Fernando de Sousa . Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 51-56,1974.


Dicionário Histórico, Corográfico,Heráldico, Biográfico,Bibliográfico,Numismático e Artistico,vol. VI,429-430, ed. electrónica Manuel Amaral, 2000-2009.


Teatro #2



Alguém disse que gostava que o encenador viesse à boca de cena.


E veio.


Aqui vai a equipa (quase) completa.



Da esquerda para a direita:

Manuela Costa - Encenação.
Marilú Brito - Cristina.
Mizé Camelo - Hortigosa.
Américo Monteiro - Encenação e Compadre.
Esperança Moreno - Lourença.
Camané Ricardo - Canizares.
Belinha Lapa - Figurante e ponto.
Paulo Medeiros - Galã.
Rafaela Ferreira - Figurante.
Beto Mesquita - Som.
Nando Barreto - Luz.

Não estão na imagem:
Sílvia Cabeleireira - Caracterização.
Luísa Ferreira - Bastidores e bilheteira.
Claudia Martins - Ponto.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Teatro

O Grupo de Teatro Alma de Ferro apresentou hoje de novo "O Velho Ciumento".

Um aplauso.
Longo.

Merecem!!!






quarta-feira, 1 de julho de 2009

Moncorvo na Cartografia Antiga

Em 2005, no decorrer de um trabalho sobre a viária da região de Moncorvo no séc. XVIII, fui parar ao site da Biblioteca Nacional - fundo Cartográfico. Aqui encontrei um conjunto bastante vasto e interessante de mapas (entre o séc. XVI e XIX) com referência a Moncorvo.

Como se pode ver, estes nossos antepassados ainda não tinham conhecimentos perfeitos de geodesia porém, como sabemos, foram os pioneiros da cartografia mundial. No caso vertente as suas representações são um pouco imprecisas. Mas o que é fundamental é que já representam várias localidades, rios, montes e, por vezes, caminhos. Outro aspecto importante é que nem sempre os mapas estão orientados para Norte, como é habitual nos nossos dias (ou seja, há alguns mapas desnorteados!).

Ficam aqui algumas dessas representações, que em alguns casos ampliei, dando destaque ao sul do Distrito de Bragança e início das Beiras. Para quem estiver interessado em aprofundar este tema é só consultar o site da Biblioteca Nacional Digital - http://www.bnportugal.pt/.


1 - The Kingdom of Portugal ... (1794)

2 - Portugalliae que olim... (157...)


3 - Carta geographica do reyno ... (1763)


4 - Atlas Portatif... (1698)

(clique nas imagens para visualizar melhor)

eXTReMe Tracker