torredemoncorvoinblog@gmail.com

domingo, 19 de outubro de 2008

Cardoso Pires em Moncorvo

Esclarecidos os equívocos, em que não há inocentes, mas também não há culpados, por isso mesmo se chamam equívocos, regresso ao blogue com memórias de José Cardoso Pires sobre cuja morte já passaram 10 anos (exactamente em 26 de Outubro).
Às vezes diz-se: celebram-se 10 anos sobre a morte. Como se lembrar a morte fosse motivo de celebração.
Há anos, já não me recordo do ano, o presidente da Câmara, Aires Ferreira, pediu-me se conseguia algum escritor que pudesse vir a Moncorvo falar do 25 de Abril
Lembrei-me de José Cardoso Pires, então o nosso mais nobelizável (não fosse a força espanhola, via Pilar, a apostar em Saramago), por quem um mantive até à sua morte, uma profunda, muito profunda amizade. Creio que este sentimento era recíproco. Tenho provas para tal.
O José Cardoso Pires já tinha um compromisso para uma conferência na Alemanha. Cancelou o compromisso para vir a Moncorvo. Um carro da Câmara foi buscá-lo a Lisboa, e à Edite, a sua mulher. Eu vim no meu próprio carro.
A conferência numa parte, a menor, do Cine-Teatro, foi no hall que dá para o primeiro balcão. Cardoso Pires falou sobre a Censura, antes e depois do 25 de Abril. Na assistência, escassíssima, estava um informador da Pide. Só mais tarde lho disse porque temia a sua reacção se o soubesse no decorrer da conferência. Nem hoje direi o nome. Paz ou guerra à sua alma que a misericórdia também tem limites.
Acabámos a noite no Noitibó (o primeiro bar-discoteca que houve em Moncorvo), que então era do Miranda e tinha o Aires como empregado. O Aires colocou uma Martin's de 20 anos (o tal Martins judeu de Trancoso que fugiu para a pérfida Albion) no balcão e estava proibido pelo Miranda de permitir que o copo do escritor estivesse vazio.
Mais tarde o Cardoso Pires perguntar-me-ia se o Miranda não se importava que um dia fosse personagem de uma ficção sua.
Já regressou muito tarde à Residencial Passarinho. A Edite já dormia. Eis senão quando se ouvem uma guitarradas. Tinha começado uma serenata ao Cardoso Pires. À viola (e disse guitarradas porque violadas na noite poderia ter outra leitura), o engenheiro Sendas (já falecido) e nos trinados, em voz aguda, o Artur Paiva, bancário, e o comandante da GNR, natural de Parada e cujo nome, de momento, esqueci. Para ele estava proibido o balão.
O Cardoso Pires veio à janela agradecer e a Edite já não conseguiu dormir até de manhã.
Várias vezes o Cardoso Pires contava este episódio. Dia 26, vai ser homenageado, com a presença do Presidente da República, em Vila de Rei, o concelho da sua aldeia, o Peso.
Um dos maiores romancistas do último século veio a Moncorvo e pouca gente notou. L'air du temps. Ai! se fosse o Tony Carreira...

3 comentários:

vasdoal disse...

um prazer lê-lo e tê-lo de volta.

N. disse...

Ao contrário de um "site", que é hierático, rígido, oficioso, um "blog" é um instrumento dinâmico e em permanente actualização, espelhando, por isso, melhor, a realidade do quotidiano, seja ao nível de uma colectividade, a Polis(no nosso caso concreto, a Torre de Moncorvo), ou mesmo das pessoas que compõem, localmente ou na diáspora, a comunidade dos presentes e dos ausentes que podem estar(e seguramente estão) presentes em espírito. Assim,tal como no tecido vivo que são as comunidades (compostas por indivíduos), também é normal haver, entre as pessoas, equívocos, avaliações ou apreciações erróneas, por vezes divergências, ou seja, tudo o que compõe aquilo que os filósofos da pós-modernidade chamam de "complexidade". Nada que não se resolva na Àgora, sem necessidade de intervenção do Areópago, pelo que subscrevo o comentário do Vasdoal (que também anda muito sumido): é um prazer lê-lo de volta, Rogério.
Lembro-me dessa vinda do Cardoso Pires a Moncorvo, nos inícios dos anos 80, por ocasião de um 25 de Abril, e também sei quem o trouxe. Por ter ido à aldeia nesse dia, sei que não assisti à palestra que houve no cine-teatro, mas lembro-me de o ver a tomar café no desaparecido "Passarinho". Sempre me perguntei se a "República dos Corvos" que escreveu, não se teria inspirado no topónimo da nossa vila (é provável que não, até porque se calhar é título mais ajustado aos "vicentes" lisboetas, mas...).
Obrigado por nos ter lembrado esta digressão do J.Cardoso Pires, que é oportuno reler, 10 anos depois, e depois da "valsa lenta" que foi o prenúncio da sua partida.
Nelson

N. disse...

Para todos os interessados, na Notícias Magazine de hoje (26.10.2008), vem um artigo sobre o J. Cardoso Pires.
Fica a informação.
N.

eXTReMe Tracker