torredemoncorvoinblog@gmail.com

terça-feira, 17 de novembro de 2009

"O silêncio das cegonhas" - exposição no Centro de Memória

Foi inaugurada no passado dia 7, no Centro de Memória de Torre de Moncorvo, a exposição fotográfica intitualada "O silêncio das cegonhas", de autoria de Carlos Inácio e Pedro Inácio, numa co-organização da Direcção Regional da Cultura do Norte/Ministério da Cultura e Câmara Municipal de Torre de Moncorvo.

Carlos Inácio (nasceu em Lisboa em 1954, residindo em Peniche) é médico de profissão e dedica-se à fotografia desde 1973. Tem participado em inúmeras exposições individuais e colectivas, com diversos trabalhos publicados em revistas e outras edições culturais, sobre motivos captados em diversas partes do mundo.

Pedro Inácio (n. em Lisboa, 1960, reside em Venda do Pinheiro, Mafra) é um profissional de Museologia, trabalhando no Museu da Àgua (EPAL), sendo vice-presidente da APOM (Associação Port. de Museologia). Iniciou a actividade fotográfica em 1985, muito por influência de seu irmão Carlos Inácio. Desde 2005 tem realizado exposições individuais e colectivas em vários museus e espaços culturais. Tem igualmente trabalhos editados, com vários prémios no seu currículo.

Esta mostra é composta por dezenas de fotografias representando cegonhas em diversos contextos (diversos ninhos em postes, em casas arruinadas, chaminés, etc., ou em pleno voo), em diversas regiões portuguesas, sobretudo no Alentejo.

Registem-se, a propósito, estas palavras de Luís-Cláudio Ribeiro, no folheto de apresentação: "De então regresso ao Sul de agora. Regresso a essa dimensão silenciosa das aves branquejadas, cegonhas portanto (sei que dá doutras cores mas são estas que ecoam na minha planície). E vendo-as, sem piar ou grito aflito, imagino o que não sendo hominídeo para ele caminha, animal sem faringe, protótipo de homem que apenas com o ressoar dos lábios apascentava o medo e chamava pelos seus. É ainda assim a cegonha no seu piar de bico, pois lhe falta o órgão para o som vocal. //É bom que vejamos no restolho, nas chaminés abandonadas e nos postes da civilização, pois embora tímidas carregam a nossa imortalidade".

Esta abordagem parece constituir ainda um apelo ecológico em redor destas simpáticas aves, das quais só as de plumagem negra se podem encontrar no nosso concelho, lá para os barrancos do Sabor. A cegonha branca em Trás-os-Montes parece preferir a zona de Bragança e Miranda do Douro, não se vendo pelos nossos lados.

Ainda pode visitar esta Exposição, até ao dia 27 de Novembro.

Sem comentários:

eXTReMe Tracker