torredemoncorvoinblog@gmail.com

sábado, 17 de janeiro de 2009

Caminho, no Larinho

Na tranquilidade da tarde aquecida pelo sol de Outubro, procurava a localização de uma fonte, bastante antiga, no Larinho. O encontro com a fonte, não uma, mas duas, transportaram-me ao passado e imaginei-me várias décadas atrás, quando o acesso àquelas fontes era feito por este e outros caminhos. A luz rasante do final de tarde convidou-me. Não resisti a registar em fotografia este rústico caminho.

3 comentários:

Anónimo disse...

Eu continuo a acreditar que o mundo pode ser um bom sítio para se viver, porque continua a existir esta capacidade de encantamento com as coisas mais simples e inesperadas, como
a recôndita vereda no Larinho ( podia ser Urros, ou Maçores ou Açoreira ou outra qualquer aldeia ) que Aníbal quis compartilhar connosco.Em que eu adivinho o frescor intocado das pedras, a fonte e o seu sussurro, talvez um melro - não o melro ferido de Guerra Junqueiro, que renega e mata os filhos , mas o melro feliz e liberto que esta evocação só pode inspirar.
Obrigado por este presente na minha tarde de trabalho, que me transporta à serra da minha infância. E que talvez me comova.
Daniel de Sousa

Anónimo disse...

Parabéns, caro Aníbal, por mais este instantâneo! E o preto&branco atira-nos, de facto, para outras eras. Poderia, de facto, ter sido tirada há muitos anos, em qualquer aldeia do nosso concelho/região, como diz o Daniel Sousa. No entanto, este fragmento de caminho é já um achado arqueológico (penso que é um que vem de baixo e vai para a Fonte Ferrada, uma fonte de águas alcalinas e com muito fe - símbolo químico do Ferro - que lhe dá o nome, e também o sabor às águas). Um achado arqueológico que urge preservar e defender porque - livre-nos Deus! ou os Deuses - tarda nada será destruído como o têm sido todos os outros... É que estas vias, vindas da noite dos tempos, muradas durante a Idade Média para evitar que a cria fosse para os campos roer as parreiras do agricultor, calcorreados pelas bestas (de 4) e pelas pessoas (de 2), mas que agora, sem bestas nem pessoas, acabam por ser alargados, muros destruídos, terraplanados para acesso a nenhures, mas com contabilidade eleitoral garantida, pois os relatórios das Juntas de Freguesia (e com reconhecimento nos planos e orçamentos camarários), até têm uma rubrica especial que é: "ARRANJO DE CAMINHOS" que deveria ser "DESTRUIÇÃO DE CAMINHOS"!!! - ninguém quer musealizar e preservar tudo, pois há acessos q são necessários; mas o problema é que hoje se fazem os caminhos necessários e os desnecessários (e este ano que agora decorre é um ano fatal para isso, vá lá saber-se porquê? - alguém analise a correlação entre os anos de eleições e os anos de destruições de património e perceber-se-á). E, nos discursos eleitorais, dizer-se que "fizémos e arranjámos centenas de quilómetros de caminho" é barato e dá (não milhões) mas os votos da maioria dos fregueses...
Por isso, o que podemos nós fazer?? olha, é ir registando fotograficamente TUDO, cartografar, filmar, para um dia chorarmos sobre o leite derramado do que se perdeu.... Talvez no futuro alguém nos dê razão (ou nos culpe, por termos "permitido" isto!). Só que, nos tempos q correm, nós, os que estamos conscientes da perda, não temos força para o impedir, e temos que nos esconder até, por defendermos estas "perigosas" ideias, tudo em nome, claro está, do bem-estar das populações, e de termos que ir de "rabinho tremido" a todo o lado, em passeios urbanóides, de jipinho, com a miquelina ao lado e o cão atrás... Eu, por mim, prefiro o saudável passeio pedestre, por caminhos destes, mas... e a maioria??
- Mas como a Democracia é o regime da maioria, temos q nos render à evidência dos factos... poias a "revolução cultural" é a mais difícil, senão impossível de se fazer ("desgraciadamente", diria o nosso amigo Ángel!...)
Ass.: Um paladino do Património.

Anónimo disse...

pienso que la naturaleza es...esencial para la vida.SI la sabemos disfrutar y cuidar...ella nos corresponderá!Así que..no seamos tontos!felicidades a los trasmontanos por esas tierras que les arropan.

eXTReMe Tracker