torredemoncorvoinblog@gmail.com

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Os últimos guarda-rios


Mais uma, esta tirada em 9/05/82. São os últimos de uma profissão também já extinta, a de guarda-rios. Nessa data homenagearam o chefe, Frederico Mesquita, por ter atingido a meta da sua carreira profissional .
Aí vão os nomes: António dos Santos Silva, Herculano Augusto Salgueiro, Higino Aníbal Pacheco, Acácio da Cruz Rodrigues, António Afonso Clérigo, Casimiro de Sá,
Manuel António Tavares, José Joaquim Ferreira, Ernesto dos Santos Magalhães, Alexandre José Cascais, António Maria Vilares, Gilberto Augusto de Carvalho Pinto, Constantino da Gama Fernandes e Joaquim Pereira.
Seria interessante saber quem, na fotografia, corresponde aos nomes citado e de que aldeia são.

Os Serviços da Hidráulica foram oficialmente extintos depois da morte de Frederico Mesquita, mas estavam sem funcionamento, na prática, desde a sua reforma. Contava-me ele, que, muitas vezes, um ou outro guarda-rios, vindos das aldeias às feiras de Moncorvo, procuravam o ex-chefe e lhe perguntavam, apreensivos, se, não aparecendo ninguém a vigiar-lhes o serviço, mas com o vencimento depositado todos os meses na Caixa, não teriam que repor o dinheiro entretanto gasto. "Não virão um dia descobrir isto?", perguntavam desconfiados. E o chefe respondia : “Não se preocupe. Ainda há repartições em Vila Real e no Porto”.
Leonel (Lelo) Brito

5 comentários:

Baiqueeuespero disse...

De pé.. 5º da esquerda para a direita.
Acácio Rodrigues de Carviçais.

Rui Carvalho

N. disse...

Em baixo, 3º. da esquerda para a direita: Sr. Higino Pacheco, de Torre de Moncorvo. Antes de ser guarda-rios trabalhou com seu pai, mestre canteiro de gabarito, autor de importantes trabalhos na vila (como o muro do Jardim, anos 50), e, depois disso, na Ferrominas. É a pessoa ideal para identificar todos os outros, pois presumo q alguns já terão falecido.

Anónimo disse...

Atente-se na honradez destes homens , que questionavam o seu parco salário por ao que parece não haver quem os controlasse - e estou seguro que cumpriam a sua função.
Hoje há por aí quem deposite na sua ( leia-se off-shore) conta as poupanças que outros lhes confiaram e faça de conta que
não sabe de nada.
Descubra as diferenças...

Daniel de Sousa

Júlia Ribeiro disse...

Tem toda a razão, Daniel. Por isso temos o país que temos e , se calhar, merecemos. Esta conversa daria pano para muitas mangas...

Júlia Ribeiro

N. disse...

Sobre a questão da preocupação destes homens, por andarem um pouco à deriva (é o que dá a "reestruturação" de serviços), ainda hoje confirmei isso com o Sr. Higino Pacheco, o guarda-rios de Torre de Moncorvo a quem me referi em comentário anterior.
Dizia-me ele, que não se admirava nada agora com esta questão da avaliação dos professores, porque eles, guarda-rios, já naqueles tempos, eram avaliados e os chefes eram muito exigentes, pelo que depois se sentiram à deriva... Dantes, tocava-lhes a tudo: desde a fiscalização da extracção clandestina das areias dos rios (que fez por aí a fortuna da alguns...), a questão da pesca clandestina, cortes de árvores, situações de despejos/poluição, etc., o que lhes trazia muitos dissabores, pois muitas vezes ou topavam com pessoas conhecidas, outras com tipos agressivos, enfim, um rol de problemas que estes homens tinham de resolver como podiam e que tinham que apresentar resultados aos seus chefes.

Segundo o Sr. Higino, esta foto foi tirada no dia em que o Sr. Frederico Mesquita, responsável pelo 14º Lanço/Torre de Moncorvo, da Direcção de Hidráulica do Douro (com sede no Porto), completou 70 anos. O 14º lanço envolvia Freixo de Espada à Cinta, Mogadouro, Alfãndega da Fé, Carrazeda e Vila Flor.
Assim sendo, aqui ficam ordenados os nomes dos homens do 14º Lanço, que estão na foto - a contar da esquerda para a direita, e de cima para baixo:

De pé:
1 - José Joaquim Ferreira, natural do Peredo dos Castelhanos, era o guarda-rios de Vila Flor (já falecido);
2 - Herculano Salgueiro, natural de Vilarelhos (já falecido)
3 - Ernesto dos Santos Magalhães, natural de Ribalonga, Carrazeda de Ansiães,
4 - Casimiro Sá, Carrazeda de Ansiães,
5 - Acáco da Cruz Rodrigues, natural de Carviçais, guarda-rios no cantão do Felgar
6 - Frederico Moita Mesquita, chefe do lanço, Torre de Moncorvo - o Homenageado (já falecido)
7 - Gilberto Augusto Pinto, natural de Covas do Douro, guarda-rios de Horta da Vilariça
8 -António dos Santos Silva, naural de Alfândega da Fé, era o guarda-rios de Mogadouro
9 - Alexandre J. Cascais, de Sequeiros (Açoreira)

Em baixo:
10 -António M. Vilares, natural de Alfândega da Fé e residente no cantão de Alfândega
11 - Manuel Tavares, era de SantaComba e guarda-rios no cantão de Santa Comba
12 - Higino Pacheco - de Torre de Moncorvo
13 - Joaquim Pereira, era de Gebelim (Alfândega da Fé), fazendo aí também serviço
14 - Constantino da Gama Fernandes, natural de Meirinhos, prestando serviço no cantão de Meirinhos
15 - Afonso Clérigo, de Freixo de Espada à Cinta.

Aqui fica a nossa homenagem a todos estes abencerragens de uma profissão extinta, com um agradecimento especial ao amigo Sr. Higino pelas suas preciosas informações e pelo seu labor em prol da qualidade do ambiente dos nossos rios e ribeiros, mesmo apesar das ameaças (sabemo-lo nós) de que foi vítima.

eXTReMe Tracker