torredemoncorvoinblog@gmail.com

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Francisco Carneiro de Magalhães e o clima de Moncorvo I

Na sequência de um post anterior, sobre o nevão que surpreendeu Moncorvo (10 de Janeiro), ena sequência dos ventos fortes que por cá deixaram marcas, trago aqui uma sequência de textos de um ilustre e ilustrado moncorvense do séc. XIX, Francisco António Carneiro de Magalhães e Vasconcellos, sobre um “prestígio natural”, seguido da “praga egípcia” aqui ocorrida no inverno de 1843-1844, publicada na Revista Universal Lisbonense, dirigida por António Feliciano de Castilho. Poderão alguns pensar que esta notícia poderia corresponder perfeitamente ao inverno de 2008-2009, que me fez lembrar deste texto. Aqui vai!

“Terrível prestígio natural (carta.)

(2552) Hoje [28 de Dezembro de 1843] se completa o decimo terceiro dia em que aos habitantes d’esta villa e povoações immediatas tem sido vedado ver brilhar em seu horisonte os beneficos raios d’esse astro vivificador, e alma do Universo; quando sabem egualmente que seus patrícios teem gosado geralmente de uma estação alegre e benigna; mas aqui uma tenacíssima e mui densa névoa, originada sem duvida pela próxima confluência dos rios – Doiro e Sabor – tem produzido o portentoso phenomeno de tornar em realidade essas maravilhosas e phantasticas descripções das mil e uma noites, e outras novellas produzidas por imaginações exaltadas , a que somente apraz o maravilhoso, ou impossível, descrevendo e pintando jardins, e arvoredos cujos arbustos, e arvores são nada menos que de prata, cristal, e diamantes; o que effectivamente por nossos olhos estamos observando realisado, pois que cercados por uma athmosphera frigidíssima que o calor do sol não pode penetrar, e aglomerando-se continuamente em pequenas gotas que a nevoa deposita sobre as arvores , plantas, e mais objectos em contacto com a atmosphera, immediatamente se congelam, apresentando aos olhos o mais insignificante destes objectos uma prespectiva magica; por exemplo, n’uma varanda onde por descuido, ou por serem quasi invisíveis antes d’este prazo se tinham deixado alguns fios de téas de aranha, gosa-se agora de uma vista que arrebata, imitando perfeitamente os fios e téas de aranha, festões, laços, e flores de finíssimas perolas ou fiadas de brilhantes.

Qualquer ramo d’ arvore ou arbusto finge exactamente um penacho de cisne como os de que se teem usado os militares; mas desgraçadamente se vão já sentido os efeitos lamentáveis d’este singullar phenomeno, pois que o peso do gêlo é já tal que as árvores não podem com elle, e os passageiros ficam aterrados com o súbito e estrondoso fracasso d’ um robusto pinheiro que se baqueia a seus pés arrancado pela raiz, ou estalando pelo tronco com o peso com que já não pode! E nas oliveiras tem já havido também uma grande perda, e tanto que hoje me disse um homem natural de Massores , aldêa distante daqui uma légua, que por lá tinham quebrado já quasi todas,e se este tempo assim continua póde trazer perdas incalculáveis, pois que a colheita do azeite por aqui era mais de mediana, e por isso as oliveiras não podem resistir ao pêso que o gèlo lhes augmenta, maxime para a parte da serra, onde a nevoa é constante, pois que ao puente d’esta villa felizmente ainda a nevoa levanta algum tanto deixando livres do maior gèlo uma grande porção d’olivaes que não estão em tanto perigo.”

(continua)

----

Uma nota só para referir que se manteve a grafia original.

Sem comentários:

eXTReMe Tracker