torredemoncorvoinblog@gmail.com

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Francisco Carneiro de Magalhães e o clima de Moncorvo II

(continuação do texto anterior)

“Finalmente o gêlo é já tanta porção que olhando para os campos no espaço que a nevoa deixa descobrir suscita-se immediatamente a idéa de que os da Syberia não poderiam apresentar a nossos olhos outra prespectiva. Fazendo-se a experiencia hontem de a presentar o thermometro em contacto com a atmosphera exterior da caza em uma varanda descuberta, desceu logo a meio gráu abaixo do gêlo, e haverá dois ou três dias me disse um sugeito que fazendo a mesma observação em outra caza na extremidade da villa para a parte da serra do Monte Roboredo a dois graus abaixo de gêlo !!! Separando outro indivíduo o gêlo que continha uma folha que produz a flôr chamada violeta, me asseverou havia de pesar bem cinco oitavas. As hotaliças de que abunda esta villa são presentemente inúteis, pois as folhas das couves estão dentro d’uma especie de luvas ou bolças de gêlo da grossura d’um pataco, e muitas estão já recosidas por elle de forma que se perderam. E no meio de tudo isto há d’aqui uma pequena legoa no cimo da serra uma aldeola chamada Felgueiras (pátria do grande chymico Thomé Rodrigues Sobral) cujos habitantes se teem gosado sempre do belo sol com excepção de dois dias sómente, em que levantoualgum tanto o nevoeiro, o que tem sido para os habitantes d’esta villa uma ventura, por ser d’aquella aldêa que vem moídas as farinhas para aqui: e do contrario talvez resultasse bastante prejuízo e até fome.

Basta: que já saiu mais extensa esta carta do que eu queria. Se a julgar digna de occupar logar no seu estimável periódico pela raridade do acontecimento fará muito obsequio ao que é de V. etc.

Moncorvo, 28 de dezembro de 1843

F. A. Carneiro de Magalhães e Vasconcellos”

Logo no dia 4 Janeiro, o autor dá conta do final da “terrível praga egípcia”.

Lago da Quinta das Aveleiras, 1902 (Reprodução de Arquivo Particular. Direitos Reservados)

“Terminação de uma praga egípcia (carta)

2582 Tendo-lhe participado em data de 28 do próximo passado o estado, a que por aqui tinha chegado o gêlo, e seus funestos effeitos, motivados pela pertinácia do nevoeiro; agora cumpre-me dizer a V. , que o primeiro dia d’este anno foi para nós o de maior satisfação; quando logo de manhã vimos o horizonte desafrontado, correndo um brando vento sul, e o gêlo caindo das arvores com toda a força. Com a maior alegria se davam os habitantes d’esta villa reciprocamente as boas festas, acompanhadas de gostosos parabéns pelo bom desenlace do drama, que não obstante haver apresentado scenas bem tristes, podia ter um desfecho muito mais trágico; e com effeito, se aquelle estado durasse mais quatro quatro (sic) ou cinco dias, ou se em logar de uma branda chuva , que sobreveio no dia um do corrente, viesse neve, ou um vento forte, então ficávamos sem oliveiras, e outras arvores, pois que assim mesmo houve uma grande perda; porque o pêso do gêlo era já tal, que chegou a abrir, pelo meio até juncto da terra, o tronco de um sovereiro da grossura de dois homens, caindo para o lado as duas ametades.

Os olivaes, que ficavam mais para a serra padeceram muito, e em algumas povoações circumvisinhas consta, que ficaram (com poucas excepções) sómente os troncos das oliveiras. As amendoeiras, pinheiros, castanhos, e geralmente todas as arvores, padeceram mais ou menos conforme o sitio em que se achavam. É porem de notar, que as hortas e nabaes, que estiveram por tanto tempo submersos no gêlo, e que se esperava encontrar perdidos, appareceram sãos; e em vista de tudo isto devemos bemdizer a Providencia, pois qwue podiam ser os prejuizos muitos maiores.

Principiára a nevoa no dia 16 de Dezembro, abrangendo por fim todo o espaço, que vae desde os estevaes do Mogadoiro (sic) até Macedo dos cavalleiros, chegando muito para baixo de Mirandella, e para a Beira dizem que à Meda, estendendo-se também pelo Doiro acima até lá para a Hispanha, ficando izemptos somente n’esta extensão os cumes das montanhas mais elevadas, onde se gozava de um bello sol.

Na noite de 29 de Dezembro tinha o mercúrio descido 3 gráus para baixo de gelo, e no dia 30 logo fez a differença de 2 gráus somente para baixo de gelo, o que nos deu esperança de melhoria de tempo. Chegou-se a congelar o leite nas vasilhas, em que era trazido das aldeias próximas para consumo d’esta villa; e em uma varanda envidraçada, onde estava uma gaiola com um pintasilgo, a quem naturalmente seu instinto ensinou que no poleiro, onde ordinariamente dormem, não estava tão abrigado como em baixo mas não tendo o tolinho a descripção de se desviar do bebedoiro, apareceo de manhã prezo pelas penninhas do rabo, que n’elle tinha metidas, e econgelando-se a agua, alli ficou até que o foram libertar; e felizmente não morreu.

Por estes dias tem-se conservado o thermómetro em 5 a graus acima de gelo

Moncorvo 4 de Janeiro de 1844

Francisco António Carneiro Magalhães.”

FONTE: "Revista Universal Lisbonense - Jornal dos Interesses Physicos, Moraes e Litterários collaborado por muitos sabios e litteratos e redigigo por Antonio Feliciano de Castilho", Imprensa da Gazeta dos Tribunaes, Lisboa, 1844, pp. 258, 270 e 271

5 comentários:

Daniel de Sousa disse...

Mais uma notável personalidade aqui citada, agora o prof. Tomé Rodrigues Sobral,ilustre homem de ciência e lente de Química da Universidade de Coimbra.
Quem achava porventura que estas terras moncorvenses não foram ( e vamos lá ...ainda são) alfobre de gente notável , que se desengane!!
Daniel

Anónimo disse...

Sempre achei muito interessante este apontamento de Carneiro de Magalhães, para a história do clima da região. - Dele fez eco, mais tarde, o Pinho Leal (ou o Abade de Miragaia por ele), no célebre Portugal Antigo e Moderno.
N.

Anónimo disse...

Caro Rui Leonardo

Fez muito bem em transcrever este belo pedaço da n/ historia, nem que seja para ficarmos a saber que esta terra também já foi uma Sibéria, friamente falando.

Fico também a aguardar que nos diga algo mais sobre este morgado, ilustre moncorvense e, em especial, nos dê a conhecer a sua vertente/costela arqueologica.

bom fim de semana !

Júlia Ribeiro disse...

Uma maravilha esta descrição daquele inverno longinquo, mas que nos faz enregelar tal como o deste ano.

E aquela delícia sobre " o tolinho do pintassilgo que deixou as peninhas do rabo dentro do bebedouro ". Mas não morreu! Já a contei aos meus netinhos mais pequeninos.

Abraço ao Leonardo
Júlia

Leonardo disse...

Caros amigos,
muito obrigado pelos comentários, cujos méritos são tão só do Sr. Francisco de Carneiro de Magalhães.

Quanto ao frio, arrisco a dizer que deve ter sido comparável ao do Natal de 2008, quando o nevoeiro cobriu Moncorvo durante largos dias, tendo sido precedido de uma valente geada, o que fez que vivêssemos num autêntico congelador!!!

Quanto à faceta de arqueólogo/antiquário do Sr. Francisco Carneiro de Magalhães brevemente daremos notícias, já que brevemente se comemora uma efeméride de capital importância para a arqueologia moncorvense!

Até breve.

eXTReMe Tracker