torredemoncorvoinblog@gmail.com

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Tuna Popular da Lousa, presente no 10º Intercéltico de Sendim

«Na demanda dos sons da terra, rumámos para onde a paisagem entra nos olhos e não sai mais (Miguel Torga) e as pessoas se tornam amigas e não mais se esquecem. Mirandeses d'las arribas, gente que se confunde com a própria natureza, numa simbiose tão profunda como impenetrável, da qual emerge uma cultura de seculares origens que é seiva intemporal de uma identidade resistente que a memória colectiva oralmente transmitiu ao longo dos tempos». – MÁRIO CORREIA (Raiç e tradiçon)

O festival inter-céltico de Sendim (Terras de Miranda) realiza-se há 10 anos.
Mercê do labor persistente de Mário Correia (um homem do litoral que veio construir uma utopia no interior mais remoto) que resolveu trazer a música dita “céltica” dos grandes palcos do Porto para o lugar onde ela fazia mais sentido: o terriço de um “cú de judas”, onde o pó se levanta à mistura com o cheiro do restolho na comunhão mística com a Mãe-Terra, sob as estrelas coriscantes do planalto da nossa Celtécia mirandesa.
E o trabalho do Mário não se ficou pelo festival. Uma vez aí, como um verdadeiro garimpeiro, foi joeirando e arrancando do esquecimento grupos de cantares (como os das segadas de Caçarelhos), cantadeiras como Clementina Rosa Afonso, inúmeros gaiteiros, muitos deles já falecidos há muitos anos, deles descobrindo registos antigos, como os do alemão naturalizado americano Kurt Schindler (1882-1935), autor das primeiras recolhas fonográficas de música mirandesa (1932),com tudo isto, paulatinamente, M. Correia foi constituindo um acervo colossal que hoje conta com dezenas de CD’s, com a chancela da editora Sons da Terra, por si fundada. Mas há mais: além da revista Trad i Folk (10 números, sendo cada um o catálogo anual do festival de Sendim), tem ainda publicado alguns importantes livros para a história da música tradicional mirandesa, tais como Bi benir la Gaita (contributos para a história dos gaiteiros mirandeses) e Pauliteiros de Miranda (Cércio) – Viagem a Londres (sobre a actuação dos pauliteiros mirandeses no Royal Albert Hall, Janeiro, 1934, com edição de CD), além de vários artigos em revistas e “sites” da especialidade (quanto a “sites”, ver: http://www.attambur.com/OutrosSons/Portugal/SonsdaTerra/sons_da_terra.htm
http://www.attambur.com/Noticias/20022t/centro_de_musica_tradicional_sons_da_terra.htm
Mas a sua obra maior, quanto a nós, foi a criação do Centro de Música Tradicional Sons da Terra (sedeado em Sendim), onde se reúne uma Biblioteca especializada e a Fonoteca (Arquivo sonoro) com um importante acervo de música tradicional sobretudo transmontana. Aí se administram cursos de iniciação de instrumentos tradicionais do Planalto Mirandês" (gaita de foles, flauta pastoril, caixa e bombo), salvando as sonoridades que se estavam em risco absoluto de se perderem com a morte dos velhos gaiteiros das terras mirandesas. Há já alguns anos, a câmara de Miranda, numa tentativa bem intencionada de não deixar perder a música tradicional, chegou a transportar jovens para Espanha (Aliste), para aprenderem gaita de foles, tendo muitos deles entretanto desistido. Agora basta irem a Sendim.
Como sempre acontece, este labor não esteve nem está isento de escolhos, sendo, muitas vezes, as questiúnculas locais também um resultado das dinâmicas e da diversidade e do crescimento entretanto surgidos (só nos charcos e nos desertos não há polémicas). Todavia não se podem esquecer os contributos de associações locais como a Mirai Qu’Alforjas, os exímios Galandum Galundaina, os divertidos Picä Tumilho (inventores do rock mirandês), os SangriSulta, além dos famosos grupos de pauliteiros que continuam a pontuar nestas terras. Todos eles têm ajudado também a construir este Festival Intercéltico, concorrido por milhares e milhares de pessoas, vindas de toda a Península Ibérica, e até do resto da Europa. Aliás, o Intercéltico de Sendim é, desde há anos, uma referência no mapa dos festivais congéneres da Europa e por aí têm passado grandes grupos como os Oyesterband, Dervish, Hedningarna (este ano repetentes), os Musgaña, Hevia, Ultreia, Milladoiro, Gaiteiros de Lisboa, etc.. (para o corrente ano -ver o programa acima).
Entretanto, Mário Correia há já bastante que começou a alargar a sua área da acção e de recolhas para além das terras de Miranda, e além das gaitas de foles e do mundo das sonoridades mais rústicas. Assim, desta feita, abeirou-se do Douro e chegou a Torre de Moncorvo, o que nos encheu de satisfação. Conheci o Mário há cerca de 10 anos, talvez um pouco antes do 1º intercéltico, numa jornada etnomusicológica promovida pela Câmara Municipal de Miranda do Douro. Tornei-me num aficcionado dos festivais de Sendim e não perdi nenhum, chegando a acampar nos restolhos (ainda antes daquele improvisado parque de campismo).
Fomos conversando de longe a longe e, no ano passado, após uma actuação do grupo de músicos da Lousa/planalto a Oeste da Vilariça, aqui no Passeio da Pascoela promovido pela Junta de Freguesia de Torre de Moncorvo (com colaboração do PARM), convidei o Mário a vir cá. Não deu nessa ocasião, mas ficou para a Partidela da Amêndoa que se fez no Museu do Ferro em Outubro de 2008. O Mário ficou muito bem impressionado, tendo tirado algumas fotografias e feito um registo videográfico preliminar. Era uma “coisa” diferente, outras sonoridades, outros reportórios.
Já em 2009 (30 de Maio), o Mário voltou a Torre de Moncorvo com a sua equipa e com sofisticado equipamento de gravação, tendo feito um registo profissional, com objectivo de edição de um Cd. Ficou entretanto combinada uma actuação na presente edição do Intercéltico de Sendim, que vai acontecer entre os dias 31 de Julho e 1 de Agosto.
A participação da Tuna Popular da Lousa está prevista para o dia 1 de Agosto (sábado), ao final da tarde (a partir das 17;00 horas).

Sem comentários:

eXTReMe Tracker