torredemoncorvoinblog@gmail.com

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Alpendre cultural II

Este curto filme( versão revista e aumentada) é um registo de alguns momentos deste "Alpendre Cultural"que me alberga o espírito e até a alma ( não fosse estar resguardado pela Catedral), nas minhas investidas a Moncorvo.

video

7 comentários:

Anónimo disse...

Não está certamente no feitio do Nelson ( e perdoe-me este tratamento quase familiar ) ser alvo, ou procurar homenagens ou elogios sobre a sua personalidade e o seu trabalho. Sei-o porque lhe reconheço o perfil de modéstia, que só encontrei em toda a minha vida nas pessoas com verdadeira e extraordinária qualidade humana, cultural e social.
Nem será este talvez o local apropriado.
Mas se a circunstância o proporciona , que se aproveite pois para o exprimir. De dupla forma. Reconhecendo o valor da sua prestação cívica no desenvolvimento , afirmação e dignificação da comunidade moncorvense e transmontana e, por outro lado, manifestar-lhe gratidão pelo seu esforço e fazer justiça ao seu elevado mérito científico e cultural. Que Moncorvo não deverá esquecer.
Daniel de Sousa

vasdoal disse...

Totalmente de acordo com as suas palavras. De qualquer forma, partilho com todos estes registos que certamente não me rotinaram a retina.
Obrigado, Daniel de Sousa.

J.Costa

Júlia Ribeiro disse...

Se o Daniel me permite , faço minhas as suas palavras, até porque, pelo que a mim toca, muito tenho aprendido com o Nelson. Este jovem é uma enorme mais-valia para Moncorvo e espero que Moncorvo o reconheça.
E , ultimamente também o Vasdoal nos tem brindado com tantas coisas interessantes e realmente lindas.
Obrigada a ambos, ou antes, obrigada também ao Daniel pela sua faceta de grande humanidade e simplicidade. E ainda pelos seus magníficos poemas.

Um grande abraço
Júlia

Anónimo disse...

Caríssimos Amigos,
Por dois dias arredado de computadores e blogues, eis que regressado dou de caras com este apontamento do Vasdoal, a quem, desde já agradeço este belo apontamento sobre algumas das actividades do Museu. Que este "alpendre cultural" continue a ser o teu porto de abrigo, assim como de todos os que vêm a esta Terra Mater, pois esta casa não é minha nem dos que cá trabalhamos. Esta casa é do povo, e, como costumamos dizer: "o museu é seu!"
Este apontamento de Vasdoal corresponde apenas às actividades que passaram pela sua retina/rotina, mas desde 1995 que andamos nisto, com um hiato para as obras em 99/2000, reabertura em 2002, grande incremento com mais actividades temporárias a partir de 2004. Fazemos o que podemos, e, neste particular, temos que destacar que tal só foi/é possível com o financiamento autárquico e, pontualmente, com outros apoios muito pontuais que vamos conseguindo, desde financiamentos específicos até a alguns patrocínios de algum comércio local. Saliento ainda que isto é trabalho de uma (pequena) equipa, composta por dois vigilantes-recepcionistas que fazem de "pau para toda a colher" (António Botelho e Fátima Dias), e, ultimamente em regime de mais permanência, o Rui Leonardo (licenciado em Arqª). Houve (e há) outros contributos mais esporáricos e temporários, como, ao presente, de Cláudia Lourenço, ou de sócios ou outros elementos da direcção do PARM, como de Higino Tavares, Rui Rodrigues, Eduardo Carvalho, Afonso Calheiros, Eugénio Cavalheiro, Ademar Tavares, A. Basaloco, Cláudio Ferreira e tantos outros (que me desculpem os outros colaboradores voluntários e Amigos, se não os posso mencionar a todos). Apenas menciono alguns, para destacar que isto não é trabalho de uma pessoa só, pelo que é descabida qualquer menção especial à minha pessoa. Como costumo dizer, aproveitando da famosa frase de Lucien Fèbvre, "o homem não, o homem nunca, os grupos humanos, as sociedades organizadas". Por isso, embora agradecendo, contrariado, as referências que me fizeram o Daniel, Vasdoal e Júlia Ribeiro (exageros que só a Amizade explica)julgo que o importante é o Museu, e as entidades que o suportam: Câmara Municipal de Torre de Moncorvo e o PARM, bem como a equipa de trabalho e voluntários. Para eles endereço os vossos cumprimentos, elogios e ovação. E, já agora, aproveitando a embalagem, aqui fica o apelo a visitarem mais esta sala de visitas da Vila (não esquecendo as outras: Cine-Teatro, Biblioteca/Centro de Memória, Celeiro, estas de cariz municipal, bem como o Museu do Vinho/Oficina Vinária, e Núcleo Fotográfico do Douro Superior, estas de iniciativa privada). Como vêm, a oferta cultural aqui é vasta e diversificada e há mais gente a fazer mais coisas e ainda bem que não somos os únicos. Para eles também a nossa/vossa saudação.
Para aqueles que ainda não nos conhecem, renovamos o apelo: Visitem Torre de Moncorvo!
N.

Anónimo disse...

ADENDA AO COMENTÁRIO ANTERIOR:
- Onde se diz: "sala de visitas da Vila" > deve ler-se: "sala de visitas do concelho" (é que estes e outros espaços estão localizados na Vila, mas pertencem ao Concelho, composto por 17 freguesias).
- Por outro lado, ainda com referência à obra do Museu, há a referir as dezenas de Amigos do Museu, cujo contributo tem sido assinalável - ver lista em: http://parm-moncorvo.blogspot.com/2009/05/amigos-do-museu-do-ferro-da-regiao-de.html
As nossas desculpas pelas falhas.
N.

Anónimo disse...

Aproveito esta "janela" para perguntar sobre as festas do Sto. Apolinário em Urros. Não costumam ser no último domingo de Agosto? Ou já não se fazem agora?
Quem souber que me diga!
Daniel

Anónimo disse...

As festas de Santo Apolinário de Urros, ao contrário da tradição ocorreram no passado fim-de-semana. Segundo se comentou pela vila, foram muito concorridas, não ficando nada a dever à da Sra. do Amparo do Felgar.

E:L

eXTReMe Tracker