torredemoncorvoinblog@gmail.com

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Morreu o Arnaldo

Numa das passadas quinta-feiras, dia três de Dezembro, morreu no Porto, o Arnaldo Gonçalves, ou o Arnaldo Electricista como era conhecido em todas as aldeias do concelho. Foi uma figura de Moncorvo que marcou várias gerações ( e a mim particular e intensamente) pela sua generosidade, pelo chiste, pela reinvinção do pícaro, pela exploração de situações caricatas, pela criatividade única nas "partidas que pregava".
Estava já há bastante tempo acamado com a lucidez intermitente. Num dos seus últimos gestos de generosidade e desprendimento doou o corpo, para estudo, à Faculdade de Medicina do Porto (tem outro nome, creio que Ciências Médicas de Abel Salazar).
O Arnaldo era uma das últimas lendas de uma certa crítica social em que Moncorvo é um espaço privilegiado. Com ele perdem-se, pelo menos, duas décadas de memória, a não ser na lembrança dos seus amigos, nos quais com muita honra, me incluo.
Das últimas palavras que disse ao padre antes de morrer, consta, segundo me disse o seu cunhado, este desejo, ele que até era de Vilarelhos: "Ainda quero ir a Moncorvo"

2 comentários:

Anónimo disse...

Estranhamente, foi na Biblioteca/Arquivo de Vila Flor que descobri a veia poética do Arnaldo, com a leitura de um artigo publicado num jornal de Setubal! E logo o contactei e lhe pedi que escrevesse uns versinhos para o jornal que eu dirigia - o Terra Quente. Ele acedeu entusiasmado e iniciou uma série de trabalhos verdadeiramente interessantes, revelando-se um extraordinário poeta e contista das "coisas de Moncorvo". Infelizmente foi por pouco tempo já que a doença veio cortar essa colaboração. Nunca me perdoarei "tê-lo descoberto" tão tarde. A título de amostra, aqui deixo a primeira poesia dele publicada "meu" jornal, precedida de um maravilhoso texto de apresentação escrito pelo Rogério Rodrigues e que prometo também trazer brevemente para este blog.
Um feliz Natal para todos.

Saudoso Roteiro

Oh meu Moncorvo velhinho
Velha a tua tradição
Tu recebes com carinho
A todos que para lá vão.

Do S. Paulo ao S. João
Da Corredoura ao Montezinho
E do Prado à Estação
Eu bebi tanto copinho.

Fui para lá ainda menino
Deixei-te com esta idade
Tenho o cabelo branquinho
De carpir tanta saudade

Tive lá a minha mocidade
Trabalhei e fui brincalhão
Brincadeiras sem maldade
Oh quanta recordação

Lembro os tempos de então
Em que eu ainda fui caloiro
Que hei-de gravar no meu caixão
Moncorvo com letras de oiro

Tens o Sabor e o Douro
A Vilariça e a Serra
A tua igreja é um tesouro
Orgulho da nossa terra

Até na Torre a figueira
Vibra ao toque do teu sino
Com o grito da carpideira
E o flache do peregrino

Hei-de cantar-te um hino
Aos teus montes e courelas
Às tuas aldeias e quintas
Que saudades eu tenho delas

Em Felgueiras fazem velas
Em Maçores o S. Martinho
E no Felgar são panelas
Caçadores é o Larinho

A Lousa tem um rico vinho
Figos secos no Castedo
Na Açoreira são pepinos
E muita amêndoa no Peredo

Em Urros homens sem medo
Mós tem estevas e castanha
Há ferro no Reboredo
E bom queijo na Cardanha

Linda igreja na Adeganha
Boas pencas na Junqueira
Era boa e tinha fama
A manteiga da Silveira

Terrincha muita oliveira
E na Vide muita noz
Grelos os da Laranjeira
E bons peixinhos na Foz

No tempo de nossos avós
Na Horta faziam telha
Já não rolam as velhas mós
Dos moinhos do Souto da Velha

Carviçais uma grande terra
Bons músicos e padeiros
Amor, tiros e guerra
É no povo de Sequeiros

Nas Cabanas muito ordeiros
E é diferente o seu sotaque
E os Estevais como padroeiro
Tem o Divino Santo Eustáquio

Cabeça Boa o destaque
Vai para o rico fumeiro
Cabeça de Mouro faz claque
Da festa dele em janeiro

Acabei o meu roteiro
Muito eu tenho para contar
Fui por lá um pioneiro
De luz a muitos levar

É tão triste recordar
E a lembrança é uma miragem
Sinal que se está a apagar
Para sempre a nossa imagem.

Leonel Brito disse...

O Manel era o meu companheiro ,amigo e colega na escola primária .Ele saía de casa no Cabo ,em frente ao cineteatro, na esquina da rua do cemitério (rua Santiago), juntávamo-nos à minha porta atrás do adro , seguíamos pela rua do hospital velho,faziamos o sinal da cruz ou erguíamos o braço direito( mais tarde soube o que representava)em frente à capela,passávamos pela casa do motor ,cumprimentávamos o senhor Moura ,escolhíamos as pedras para passar por cima do alpiche do lagar de azeite e ,com o Escatcha, o Migas, o Pintalagorra ,o Barriel, o Cagalheta e o Cabaço (a malta do Cabo) ,disparávamos ao chegar à escola:”Bomdiadonaisabel!”Com a braseira entre as pernas e as “cabras” à mostra ,gritava: “Sentados!”

O Manel morreu em Fevereiro de 1950, de tubercolose. Tinha nove anos.Era irmão do Arnaldo.O pai , o senhor Manuel,era padeiro do Paiva e natural de Vilarelhos.A minha mãe dizia-me,quando me via chorar, que Deus o tinha levado para o céu.Mas no céu não há bugalhas, nem pião ,nem botões ,nem se joga aos polícias e ladrões.Por que não vinha brincar comigo? Que estava lá a fazer?

Nos anos sessenta, das poucas vezes que ia a Moncorvo,tomava a bica no “Moreira” com o Arnaldo e outros amigos.Como diz o Rogério, o Arnaldo reinventava o pícaro , quando começava a contar estórias de Moncorvo ,não sentíamos o tempo passar.Ele ,o Xico do Porto ,o Afonso Pires e o Passarinho (empregado na Farmácia da dona Carmen)criavam as mais divertidas tropelias( o fantasma do Cuco é uma delas)que esperam pela Júlia .
“Não vais para a França ou Alemanha como os outros ?”-perguntava eu.“ És maluco ,a minha frança está aqui ,sou o ministro das obras dos que deram o “salto” ,trato da água ,monto a instalação eléctrica,vendo os electrodomésticos(sabes o que é?),bô à cambra pás licenças ,tudo, trocado em miúdos, sou o cônsul deles em Moncorvo.Se te pirares à tropa e à guerra e precisares de francos ou marcos, apita”.

Este era o Arnaldo que eu conheci,o que se sentava à mesa com os “comunas”e “azuis”(F.C.P.), ele que era “vermelho” do Benfica .Sei agora que escrevia poesia no “Terra Quente” do António Júlio ,com prefácio do seu amigo das letras.E que, em corpo, já não está entre nós.

Lelo

eXTReMe Tracker