torredemoncorvoinblog@gmail.com

sábado, 21 de março de 2009

Versos amendrucais



Tenho as veias nas fragas
e os olhos no Reboredo,
à cotovia dou asas
e ao homem este segredo:
Depois do estoirar das cigarras
e do cortar da geada,
ofereço meu leque de vida
e em troca não quero nada.

21 comentários:

Júlia Ribeiro disse...

Isto é um alfobre de poetas !! É fantástico estar em tal companhia !

Anónimo disse...

Caro Vasdoal,
Diz à Amendoeira, a quem a voz pertence desse poema, que a nossa serra não é "Reboredo", mas sim "Roboredo" < de "Robor" = carvalho, em latim! - É assunto que já foi tratado neste "curso" intensivo de moncorvidade, e ficou lá para trás! O sr. prof. está a pedir uma "revisão da matéria dada", ok??? (é o q dá andar a faltar às aulas, hum!...)
n.

Anónimo disse...

Faltou obviamente uma apreciação ao poema, no seu conjunto, apenas numa palavra: Magnífico!
Que esse "leque de vida" (o ciclo da amêndoa, a começar pela floração) seja o mote para aquela nossa velha ideia de articulação com a "sakura", o leque de vida da cerejeira em flor no Japão... Porque não para o ano?? (e este poema vem mesmo a calhar...).
Parabéns!!
N.

Anónimo disse...

Fico Robor ...izado com esta polémica.Carvalho!

vasdoal disse...

Eu explico o "Reboredo": por se tratar de uma forma vulgar, quis transmitir à amendoeira tradicional essa rusticidade e a simplicidade de quem a trabalha. Será , no fundo, a roupa do cote da amendoeira. A roupa mais domingueira será " Roboredo", pela sua origem erudita.(Quercus robur)
Deveria ter colocado uma aspas, mas entendi que iriam desvirtuar o poema.
Estou perdoado? Um abraço, N.

Anónimo disse...

Claro!Reb ou rob,o que eu vejo é o poema.Belo ,brilhante e vamos à "sakura".Vale.

Anónimo disse...

Caro Vasdoal,
subscrevo inteiramente o q disse o último anónimo; estás desculpado! - só com uma pequena penitência: a de "postares" algo com um bocadito mais de frequência.
Sobre a "Sakura", já agora adianto que foi uma ideia que nos ocorreu (a mim e ao Vasdoal), em tempos, de organizar um olhar cruzado, sob a forma de Exposição, entre a festa da Amendoeira em Flor na nossa região, e a Festa da Cerejeira em Flor (a "Sakura"), no Japão. A ideia é mostrar a animação existente, nos dois casos, em redor desta saudação à Natureza (excursões, convívios, Festa, evasão da cidade em direção ao campo), se bem que Japão isso tenha algo de remanescente de uma certa religiosidade panteísta. Além disso, era uma forma de "ressuscitar" certas ligações entre os dois povos, tendo como patrono inspirador o nosso Embaixador A. M. Janeira.
N.

vasdoal disse...

Vale, N. E olha que a flor da cerejeira já está aí em força para nos inspirar neste tratado transmontano-nipónico.

Anónimo disse...

N.e vasdoal.mirem.
http://www.elvalledeljerte.com/

Anónimo disse...

Viva, caro Anónimo (Leonel?): já mirei! E era exactamente isto que pensávamos fazer com a amendoeira em flor! (no fundo, requalificar essa festividade); depois apercebemo-nos que a associação de municípios aqui da zona já estava com uma intenção similar, pelo que era andar a "chover no molhado". Assim sendo acho q se podem fazer outras coisas. Por outro lado, ideias não faltam; o que falta é gente para as pôr em prática, aqui no terreno.
N.

Anónimo disse...

Há um acordo na associação de bombeiros de Lisboa: Quando não há municipais saem os voluntários.
L.R.

Anónimo disse...

»Ten cuenta, Sancho, de no mascar a dos carrillos ni de erutar delante de nadie.

—Eso de erutar no entiendo —dijo Sancho.

Y don Quijote le dijo:

—Erutar, Sancho, quiere decir ‘regoldar’, y este es uno de los más torpes vocablos que tiene la lengua castellana, aunque es muy sinificativo; y, así, la gente curiosa se ha acogido al latín [11], y al regoldar dice erutar, y a los regüeldos, erutaciones, y cuando algunos no entienden estos términos, importa poco, que el uso los irá introduciendo con el tiempo, que con facilidad se entiendan; y esto es enriquecer la lengua, sobre quien tiene poder el vulgo y el uso [12].

Segunda parte del ingenioso caballero
don Quijote de la Mancha
Capítulo XLIII

Wanda ,não foi o Angel,entendeu!

Wanda disse...

Olá!
Entendi, anônimo!
Sou loira mas tenho cá dois neuroniozitos espertos!
Hablas español , pero no eres Angel.
Don Quixote tinha razão, com o tempo as palavras mal entendidas ou mal pronunciadas vão se incorporando e enriquecendo o idioma.
Já pensaram nesta imensidão de Brasil?11. 515 km 2 ? fazendo fronteira com dez países, imaginem quantas palavras novas (erradas)surgem pelo uso popular?
Isso sem falar nas palavras indígenas e estrangeiras que vão sendo adicionadas periodicamente.
O sul foi colonizado por italianos e alemães, muitos nem aprenderam o português.
Se um típico homem do nordeste brasileiro conversar com um homem do sul, falando cada qual com sua linguagem local, jamais se entenderão.
Abraço
Wanda
São Paulo, 23 de março de 2009

Anónimo disse...

Este, eu furtei para si,Wanda.
A espanhola mais portuguesa do brasil.

Gosto de sentir a minha língua roçar
A língua de Luís de Camões
Gosto de ser e de estar
E quero me dedicar
A criar confusões de prosódia
E um profusão de paródias
Que encurtem dores
E furtem cores como camaleões
Gosto do Pessoa na pessoa
Da rosa no Rosa
E sei que a poesia está para a prosa
Assim como o amor está para a amizade
E quem há de negar que esta lhe é superior
E quem há de negar que esta lhe é superior
E deixa os portugais morrerem à míngua
Minha pátria é minha língua
Fala Mangueira
Fala!

Wanda disse...

Olá, anonimo.
Adorei "a espanhola mais portuguesa do Brasil"!

continuando.....



Flor do Lácio Sambódromo
Lusamérica latim em pó
O que quer
O que pode
Esta língua?
Vamos atentar para a sintaxe dos paulistas
E o falso inglês relax dos surfistas
Sejamos imperialistas
Vamos na velô da dicção choo choo de
Carmen Miranda
E que o Chico Buarque de Holanda nos resgate
E - xeque-mate - explique-nos Luanda
Ouçamos com atenção os deles e os delas da
TV Globo
Sejamos o lobo do lobo do homen
Adoro nomes
Nomes em Ã
De coisas como Rã e Imã
Nomes de nomes
Como Scarlet Moon Chevalier
Glauco Matoso e Arrigo Barnabé e Maria da Fé
Flor do Lácio Sambódromo
Lusamérica latim em pó
O que quer
O que pode
Esta língua?
Incrível
É melhor fazer um canção
Está provado que só é possível
Filosofar em alemão
Se você tem uma idéia incrível
É melhor fazer um canção
Está provado que só é possível
Filosofar em alemão
Blitz quer dizer corísco
Hollyood quer dizer Azevedo
E o Recôncavo, e o Recôncavo, e o
Recôncavo
Meu medo!
A língua é minha pátria
E eu não tenho pátria: tenho mátria
E quero frátria
Poesia concreta e prosa caótica
Ótica futura
Samba -rap, chic-left com banana
Será que ela está no Pão de Açúcar?
Tá craude brô você e tu lhe amo
Qué queu te faço, nego?
Bote ligeiro
Nós canto-falamos como que inveja negros
Que sofrem horrores no gueto do Harlem
Lívros, discos, vídeos à mancheia
E deixe que digam, que pensem e que falem

Lingua-Caetano Veloso

Anónimo disse...

"Já pensaram nesta imensidão de Brasil?" Wanda

-Nonada. Tiros que o senhor ouviu foram de briga de homem não, Deus esteja. O senhor ri certas risadas... Olhe: quando é tiro de verdade, primeiro a cachorrada pega a latir, instantaneamente - depois, então, se vai ver se deu mortos. O senhor tolere, isto é o sertão. Uns querem que não seja: que situado sertão é por os campos-gerais a fora a dentro, eles dizem, fim de rumo, terras altas, demais do Urucaia. Toleima. Para os de Corinto e do Curvelo, então, o aqui não é dito sertão? Ah, que tem maior! Lugar sertão se divulga: é onde os pastos carecem de fechos; onde um pode torar dez, quinze léguas, sem topar com casa de morador; e onde um criminoso vive seu cristo-jesus, arredado do arrocho de autoridade. O Urucuia vem dos montões oestes. O gerais corre em volta. Esses gerais são sem tamanho. Enfim, cada um o que quer aprova, o senhor sabe: pão ou pães, é questão de opiniães... O sertão está em toda parte.
Grande Sertão: Veredas

Espantoso Wanda, entendi.

Anónimo disse...

"Tá craude brô você e tu lhe amo
Qué queu te faço, nego?
Bote ligeiro" ....

- Acho que estas e outras carecem mesmo de tradução... Chamem-lhe Brasileiro, mas já não é Português! No princípio, houve uma coisa a que se chamou Galaico-Português; os falares moçárabes do sul do actual território portuga, após a "Reconquista", sobrepuseram-se à Fala matricial e deram origem ao Português, enquanto o Galego lá ficou, no seu terrunho, a dado passo lutando para não ser erradicado pelo Castelhano, todavia existe cada vez mais como língua escrita, na sua forma ancestral, sem que ninguém procure impor nada a ninguém, ponto final. Se o Brasileiro seguiu o seu caminho e começa a ser outra coisa que já não é Português (nem na ortografia, nem na sintaxe, nem no vocabulário), porque não se assume isso, sem complexos nem tentames imperialistas?? É que um dos argumentos dos defensores do novo "acordo" é fazer uma frente comum para mostrar ao mundo que ainda somos para aí a 7ª língua mais falada... (mas isto são algumas Olimpíadas ou quê?); não é pelo flamengo ser falado por uns 10 milhões de pessoas que é os Países Baixos são menos importantes (antes pelo contrário!). Não será isto, uma forma de tentar a reconstituição de um "império" perdido, agora sob a batuta brasileira? não estarão os defensores da "coisa" a tentar armar-se (em brasileirês, eu diria, a bancar) em intérpretes de um qualquer mito de 5º Império, querendo fazer cumprir, por decreto, as teorias poéticas mas algo tolas de um Pe. António Vieira e de um F. Pessoa??
Acho que se deve dar a "independência" linguística ao Brasil, considerando o Brasileiro como outra língua, tal como qualquer dia o Guineense (aqui acho que a Francofonia vai abafar tudo), os Crioulos de Cabo Verde, o Angolano, o Moçambicano (aqui também se o inglês não substituir o português). Deixemos a Antropologia fluir e fazer os seus próprios caminhos... E sobretudo não me façam alterar a forma escrita que aprendi, alicerçada no Latim e toda uma História da Língua que não se pode apagar. Penso que o deixar cair coisas como o "Ph" por "F" e os "y" já foram concessões bastantes, até porque "non sense". Mais do que isto, na minha "óptica", não é aceitável... Que a Wanda não leve a mal, mas é a minha opinião.

Moicano.

Wanda disse...

Olá!
Moicano, não levo a mal não,em tópico anterior já concordei contigo,afirmando-me contra o "acerto" nas regras do idioma.
Entendo também que um texto como o Sertão Veredas não seja fácil de se entender(não é nem aqui em São Paulo), assim como também em tópico anterior eu expliquei que tive que recorrer ao dicionário para entender certas palavras de um texto de Campos Monteiro.
Na verdade não é só a grafia que é diferente,o modo de escrever também é.Nós escrevemos e falamos os verbos no gerúndio e vocês no infinitivo.(ex: eu estou lendo> eu estou a ler).Isto só um exemplo, imagina no decorrer de um livro.
Não entendo que o português falado no Brasil deva ser mudado para "brasileiro". A base de nosso idioma é o português, oriundo do latim.Acho a língua portuguesa muito gira, como vocês dizem ai e muito legal como dizemos aqui....rindo.
Enquanto estivermos entendo-nos estaremos falando a mesma língua,mesmo porque oficialmente em documentos e assuntos importantes , usamos o clássico português.
Se você pegar uma escritura de um imóvel comprado em qualquer zona destas terras brasileiras, verá que ela foi redigida tal qual o é em Portugal.
Os portugueses já me disseram em várias ocasiões que os brasileiros colocaram açúcar no modo de falar e eu digo que os portugueses colocam mestrado no modo de falar ,pois para quem fala o português "caboclo" como nós, cada conversa com um português nato passa a ser uma verdadeira aula.
O idioma brasileiro já existe: é o tupi-guarani! Os conquistadores ensinaram-nos o idioma português,portanto não reclame....rindo
Por favor, moicano, desista de querer que falemos brasileiro, pois acho o idioma português um charme!

Abraço
Wanda

São Paulo,25 de março de 2009

Wanda disse...

comentando:
"Tá craude brô você e tu lhe amo
Qué queu te faço, nego?
Bote ligeiro" ....


Também não sei o que é.
Sei que é giria de malandragem pois esses versos são de um Rap,movimento que muito se tem alastrado por aqui.

Wanda
São paulo, 25 de março de 2009

Anónimo disse...

Fado Tropical
Chico Buarque
Composição: Chico Buarque/ Ruy Guerra ( Moçambicano)

Oh, musa do meu fado
Oh, minha mãe gentil
Te deixo consternado
No primeiro abril

Mas não sê tão ingrata
Não esquece quem te amou
E em tua densa mata
Se perdeu e se encontrou
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal

"Sabe, no fundo eu sou um sentimental
Todos nós herdamos no sangue lusitano uma boa dosagem de lirismo ( além da sífilis, é claro)
Mesmo quando as minhas mãos estão ocupadas em torturar, esganar, trucidar
Meu coração fecha os olhos e sinceramente chora..."

Com avencas na caatinga
Alecrins no canavial
Licores na moringa
Um vinho tropical
E a linda mulata
Com rendas do alentejo
De quem numa bravata
Arrebata um beijo
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um imenso Portugal

"Meu coração tem um sereno jeito
E as minhas mãos o golpe duro e presto
De tal maneira que, depois de feito
Desencontrado, eu mesmo me contesto

Se trago as mãos distantes do meu peito
É que há distância entre intenção e gesto
E se o meu coração nas mãos estreito
Me assombra a súbita impressão de incesto

Quando me encontro no calor da luta
Ostento a aguda empunhadora à proa
Mas meu peito se desabotoa
E se a sentença se anuncia bruta
Mais que depressa a mão cega executa
Pois que senão o coração perdoa"

Guitarras e sanfonas
Jasmins, coqueiros, fontes
Sardinhas, mandioca
Num suave azulejo
E o rio Amazonas
Que corre trás-os-montes
E numa pororoca
Deságua no Tejo
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um império colonial
Ai, esta terra ainda vai cumprir seu ideal
Ainda vai tornar-se um império colonial

Não sei como colocar a musica para todos ouvirem,mas está no emule.

Anónimo disse...

Fado Tropical
http://www.youtube.com/watch?v=9Aic14sie90

eXTReMe Tracker